Sintomas do coronavírus levam 5 dias para aparecer, aponta estudo


Arman Azad Da CNN
10 de março de 2020 às 09:02 | Atualizado 10 de março de 2020 às 09:03
Homem veste máscara de proteção em frente a hospital em Vannes, França

Homem veste máscara de proteção em frente a hospital em Vannes, França

Foto: Stephane Mahe - 10.mar.2020/ Reuters

As pessoas infectadas pelo novo coronavírus costumam desenvolver os sintomas cerca de cinco dias após exposição à doença e, às vezes, dentro de duas semanas. A conclusão é fruto de um estudo publicado na revista acadêmica Annals of Internal Medicine, na segunda-feira (9).

Justin Lessler, autor do estudo e professor de epidemiologia na Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, também sugere que uma triagem sintomática do vírus - como a checagem da temperatura no aeroporto - possa estar excluindo pessoas que foram infectadas recentemente.

“Se estiver no período de incubação, esta é a janela quando alguém que já tenha sido infectado pode entrar em um país e não ser detectado pela vigilância que observa os sintomas”, explicou Lessler.

Isso pode explicar o porquê dos esforços do CDC para avaliar mais de 46 mil viajantes com “febre, tosse e dificuldade de respiração” resultaram em apenas um caso positivo de COVID-19, segundo os dados de triagem mais recentes do CDC, divulgados no fim de fevereiro. 

Estimando o período de incubação

O período de incubação condiz com estimativas anteriores de órgãos de saúde pública, e as descobertas sugerem que 14 dias de quarentena são apropriados para pacientes potencialmente expostos ao COVID-19. 

Para estimar o prazo, pesquisadores vasculharam mais de 180 casos de COVID-19 em locais sem transmissão generalizada - em outras palavras, áreas onde a contaminação provavelmente ocorreu em razão de viagens ao exterior.

O estudo foi realizado no início da epidemia da doença, quando a transmissão na comunidade se dava apenas em Wuhan, na China. Isso permitiu aos pesquisadores estimar o “tempo de exposição” ao novo coronavírus, ao determinar quando uma pessoa esteve em Wuhan - a única fonte plausível de infecção.

Ao comparar uma viagem a Wuhan com a manifestação dos sintomas, pesquisadores poderiam, então, estimar o período de incubação do vírus: normalmente cerca de 5 dias e, às vezes, mais de 12.

É possível, de acordo com os pesquisadores, que o estudo possa ter focado em casos mais severos do vírus - mais prováveis de aparecer na mídia e conseguir a atenção dos órgãos de saúde pública. A incubação em casos leves pode, de alguma forma, ser diferente.

Transmitir a doença sem senti-la

Bill Hanage, professor de epidemiologia na Escola de Saúde Pública Harvard T.H. Chan, disse que está “impressionado pela forma com que (pesquisadores) têm reunido essa quantidade de dados de tantas fontes para estimar algo tão importante”.

Hanage, que não estava envolvido na pesquisa, disse que “nenhum estudo pode identificar completamente algo como o período de incubação neste momento”. Contudo, a estimativa dos pesquisadores é “racional”, disse ele, “e também é coerente com outras estimativas independentes”.

O período de incubação, entretanto, está relacionado aos sintomas do novo coronavírus, não ao nível de infecção. É possível, segundo especialistas, que as pessoas transmitam o vírus antes de os sintomas aparecerem ou mesmo antes de sem senti-los.

Tanto o CDC quanto a Organização Mundial de Saúde (OMS), por exemplo, observam que a contaminação pelo novo coronavírus pode ser assintomática. 

Hanage afirmou que esses pontos podem ser confusos, mas “o que importa é se a pessoa pode transmitir antes de saber que está infectada”. E a resposta, segundo ele, “é um ambíguo sim”.

O “período entre as infecções reportadas” é tão curto que, para Hanage, algumas pessoas provavelmente estão transmitindo a doença sem manifestá-la.