DF suspende aulas em escolas públicas e particulares por causa do coronavírus


Da CNN Brasil, em Brasília*
11 de março de 2020 às 19:51 | Atualizado 11 de março de 2020 às 20:47
Esplanada dos Ministérios em Brasília, com o Congresso Nacional ao fundo

Vista da Esplanada dos Ministérios em Brasília (29.dez.2018)

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O governo do Distrito Federal anunciou a suspensão das aulas em escolas públicas e particulares e eventos públicos por causa do coronavírus a partir de quinta-feira (12). O decreto do governador Ibaneis Rocha (MDB) tem duração de cinco dias.

A medida ocorre horas após a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarar pandemia da doença. A paralisação das escolas vai deixar cerca de 500 mil alunos em casa.

Além das escolas e eventos públicos, ficam suspensas todas as atividades que necessitam de alvará do governo do DF, como shows, missas e eventos como uma das etapas do UFC, que receberia 15 mil pessoas no próximo sábado (14), no Ginásio Nilson Nelson.

"É uma decisão de precaução. As pessoas estão voltando de férias, há falta de kits para atendimento médico. Então, é prudente ter menos pessoas circulando. Precisamos organizar o sistema de saúde", disse Ibaneis ao Estadão Conteúdo. "Serão cinco dias de paralisações, podendo ser prorrogáveis por mais cinco."

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB)

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB)

Foto: Renato Alves - 14.jan.2019/GDF

O DF tem 2 casos confirmados do novo coronavírus: uma mulher de 52 anos que está internada em estado grave, e o marido dela, que só concordou em fazer os exames depois de ser acionado judicialmente pelo governo.

"Nossa preocupação é que esse homem teve contato com muita gente enquanto se negava a fazer seus exames", disse Ibaneis. O homem, que está em boas condições de saúde, está isolado em sua casa. Outras 72 pessoas estão em observação.

Ao todo, o país tem 53 registros confirmados do Covid-19, sem nenhum óbito. Os casos suspeitos são 907, segundo o Ministério da Saúde.

*Com informações do Estadão Conteúdo