Brasil tem 82 casos confirmados de coronavírus


Da CNN Brasil, em São Paulo
12 de março de 2020 às 16:46 | Atualizado 12 de março de 2020 às 18:29
Passageiros usam máscara de proteção no metrô de São Paulo

Passageiros usam máscara de proteção no metrô de São Paulo

Foto: Rahel Patrasso - 6.mar.2020/Reuters

O Brasil tem 82 casos confirmados do novo coronavírus (COVID-19), segundo números do governo federal e de governos estaduais divulgados nesta quinta-feira (12).

À tarde, o Ministério da Saúde informou que o Brasil tinha 77 casos, a maior parte no estado de São Paulo (42). Depois vêm Rio de Janeiro (16), Paraná (seis) e Rio Grande do Sul (quatro). Distrito Federal, Bahia e Pernambuco têm dois casos cada. Alagoas, Minas Gerais e Espírito Santo têm um paciente confirmado.

Já no fim da tarde, o governo de Goiás confirmou três casos no estado. Mais dois foram comunicados pelo governo de Santa Catarina, levando o total nacional para 82.

Desde segunda-feira (9), o número de casos confirmados no Brasil mais que triplicou. Naquele dia, havia 25 pacientes.

Os casos suspeitos chegam a 1.422, distribuídos por todos os estados brasileiros, segundo o Ministério da Saúde. São Paulo tem quase metade dos pacientes sob investigação (704). Outros 2.662 casos foram descartados. 

Bolsonaro é monitorado

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está sendo monitorado no Palácio do Alvorada, nesta quinta-feira (12), após o secretário de Comunicação da Presidência da República (Secom), Fabio Wajngarten, ter resultado positivo para o novo coronavírus. 

Segundo a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência, Bolsonaro está sob o monitoramento do Serviço Médico da Presidência da República. Na tarde desta quinta, ele recebeu em casa a visita de agentes de saúde carregados com aparatos hospitalares, conforme apurou a CNN Brasil.

Às 15h43 (horário de Brasília), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, disse pelo Twitter que o pai fez teste para coronavírus e aguarda o resultado, mas "não tem sintomas da doença".

Bolsonaro, Eduardo e Wajngarten integraram a comitiva que visitou os EUA na semana passada. O deputado está cumprindo período de isolamento junto com o pai no Palácio da Alvorada. 

Em nota, a secretaria informou que estão sendo adotadas "todas as medidas preventivas necessárias" para preservar a saúde do presidente, dos integrantes da comitiva e dos servidores do Palácio do Planalto.

Nesta quinta, foi confirmado o resultado positivo para a contraprova do exame feito por Wajngarten. De acordo com a pasta, ele está em quarentena domiciliar por recomendação médica e só retornará às atividades quando não houver mais risco de transmissão do COVID-19.

O chefe da Secom estava na recente viagem do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, onde se reuniram com o presidente norte-americano, Donald Trump. Eduardo Bolsonaro também estava na comitida e está sendo monitorado. Autoridades do governo norte-americano já foram informadas do caso para que tomem as "medidas cautelares necessárias", segundo a secretaria.

Governo anuncia mais leitos

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta que dobrará para 2 mil o número de leitos que podem ser montados nos estados para receber pacientes com o novo coronavírus. Segundo a pasta, ainda não foram feitos pedidos de reforço de leitos. Se houver, o ministério diz que em uma semana consegue entregar o kit de equipamentos, com insumos e respiradores, para que o espaço seja montado em local apontado nos planos de contingência estaduais. Há estados que avaliam montar os leitos em pequenas enfermarias, por exemplo.

"Nenhum hospital pediu reforço de leito. Não teria justificativa (agora). Serão alocados nas cidades, hospitais, onde demanda estiver ultrapassando a capacidade Instalada", disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

O ministério informou que há 28 mil leitos habilitados pelo governo federal no SUS. Trata-se de estruturas custeadas pela União, a pedido dos governos estaduais.

Segundo Gabbardo, há 130 espaços prontos para serem habilitados, o que deve ocorrer nos próximos dias. Estas estruturas podem ou não serem usadas para o novo coronavírus.

Já os 2 mil leitos anunciados hoje são estruturas complementares, que servirão apenas para o novo coronavírus.

Prevenção

Na quarta-feira (11), a OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou pandemia por conta da disseminação do COVID-19. Segundo a última atualização da entidade, há 125.288 casos confirmados em 118 países e territórios, com 4.614 mortes.

As medidas de proteção para o novo coronavírus são as mesmas utilizadas para prevenir doenças respiratórias. Se uma pessoa tiver febre, tosse e dificuldade de respirar, deve procurar atendimento médico assim que possível e compartilhar o histórico de viagens com o profissional de saúde; lavar as mãos com água e sabão ou com desinfetantes para mãos à base de álcool; ao tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com o cotovelo flexionado ou com um tecido — em seguida, jogar fora o tecido e higienizar as mãos. 

Com Estadão Conteúdo