Cidades de SP monitoram moradores que tiveram contato com homem com coronavírus


14 de março de 2020 às 15:33
Viajantes no aeroporto de Guarulhos

Viajantes usam máscaras de proteção no aeroporto de Guarulhos

Crédito: Amanda Perobelli/Reuters (31.01.2020)

Prefeituras de duas cidades do interior de São Paulo monitoram moradores que tiveram contato com a primeira pessoa contaminada com coronavírus no Brasil.

O homem de 61 anos, que voltou recentemente da Itália, se reuniu no domingo (23) com 30 parentes em sua residência. Entre os familiares estão dois adultos e uma criança de Vinhedo e um casal de idosos, com 85 e 60 anos, de Valinhos.

Até o momento, nenhum dos cinco apresentou sintomas relacionados ao coronavírus. Segundo as secretarias da Saúde das duas cidades, os protocolos definidos pelo Ministério da Saúde foram seguidos. 

Profissionais da Vigilância Epidemiológica continuarão monitorando os cinco parentes, que segue em isolamento domiciliar por 14 dias.

Outros casos no Brasil

Durante entrevista coletiva em que confirmou o primeiro caso de coronavírus no país, o Ministério da Saúde informou que apura 20 casos suspeitos da doença.

De acordo com os dados apresentados pelo secretário de Vigilância em Saúde do governo brasileiro, Wanderson Kleber de Oliveira, o estado de São Paulo tem o maior número de casos investigados, com 11 notificações.

Há ainda registros de suspeitas em Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina, Espírito Santo, Paraíba e Pernambuco.

Ao todo, o país teve, até esta quarta-feira (26), 80 notificações de suspeitas de coronavírus, sendo eles: um caso confirmado em São Paulo, 20 ainda sob análise distribuídos nos sete estados e 59 

Primeiro caso confirmado

De acordo com ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o paciente – um homem de 61 anos – chegou ao Brasil sem apresentar sintomas da doença, passou o fim de semana com familiares e buscou ajuda médica no Hospital Israelita Albert Einstein na segunda-feira (23). 

A equipe médica relacionou os indícios ao quadro de coronavírus e fez exames que apontaram o diagnóstico. O resultado foi submetido à contraprova do Instituto Adolfo Lutz - que, segundo o ministro, confirmou o exame positivo em tempo hábil. 

"O pronto atendimento e o padrão de excelência que foi dado no atendimento do hospital Albert Einstein foi digno de nota, porque coletou o material e adotou o mesmo padrão excelência", afirmou Mandetta.

Teste de vacinas

A Moderna, empresa de biotecnologia norte-americana, informou que submeteu uma vacina experimental contra o novo coronavírus para aprovação das autoridades do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID, na sigla em inglês) nos Estados Unidos. 

A previsão é que a vacina, nomeada mRNA-1273, comece a ser testada em seres humanos em até seis semanas, ou seja, no início de abril.

Além dessa opção, um medicamento desenvolvido pela farmacêutica Gilead Sciences já passa por testes em humanos em Pequim, na China. 

Diferente da solução proposta pela empresa norte-americana, trata-se uma pílula antiviral que promete combater o vírus.

Como se proteger?

O Ministério da Saúde elaborou uma cartilha com recomendações, como cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, lavar as mãos e evitar contatos com pessoas doentes são algumas das orientações. Veja os cuidados para se prevenir: 

- Evite tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.

- Lave as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os    5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, use um desinfetante para as mãos à base de álcool.

- Fique em casa quando estiver doente.

- Cubra a boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.

- Limpe e desinfete objetos e superfícies tocados com frequência.