EUA podem se tornar novo epicentro da pandemia de coronavírus, diz OMS


Da CNN, em São Paulo
24 de março de 2020 às 14:55
A Times Square quase vazia em meio à pandemia do novo coronavírus

A Times Square, cartão-postal de Nova York, quase vazia em meio à pandemia do novo coronavírus

Foto: Carlo Allegri/Reuters

Os Estados Unidos têm potencial para se tornarem o novo epicentro da pandemia de COVID-19 após "aceleração muito rápida" no número de casos, disse a OMS (Organização Mundial da Saúde) em conferência nesta terça-feira (24).

O novo coronavírus já atingiu mais de 42 mil pessoas nos EUA. Nas últimas 24h, 85% dos novos casos em todo o mundo eram da Europa ou dos Estados Unidos. Desses, 40% eram pacientes americanos, informou a porta-voz da OMS, Margaret Harris.

Questionada se os EUA poderiam se tornar o novo epicentro, Harris respondeu que ainda não pode dizer que é o caso, mas que o país "tem esse potencial".

O painel da OMS que acompanha a evolução do vírus registou 40 mil novos casos nesta segunda (23) — o maior aumento desde o início da epidemia em dezembro. Harris disse que se pode esperar novos recordes a cada dia, até que sejam tomadas medidas mais duras de confinamento.

O novo coronavírus em todo o mundo

Até o momento, a Europa é o centro da transmissão do novo coronavírus. A Itália é o país mais atingido, com o maior número de mortes até o momento. No entanto, a taxa de infecções e fatalidades tem começado a desacelerar no país. "Começamos a enxergar um pouco de esperança na Itália", disse Harris.

A OMS também demonstrou preocupação nos casos crescentes em países com sistemas de saúde pouco estruturados e altas taxas de infecção pelo HIV.

O número de pacientes de COVID-19 na África do Sul subiu para 554 nesta terça. Uma quarentena nacional será imposta no país a partir desta quinta (26), conforme decreto do presidente Cyril Ramaphosa.

A pandemia tem crescido exponencialmente, com casos reportados em 189 países e territórios. Até o momento, a OMS confirma 334.981 casos e 14.652 mortes pela nova doença em todo o mundo.

Com Reuters