Mandetta diz que não sai de ministério e questiona quarentenas em estados


Guilherme Venaglia e Natália André Da CNN, em São Paulo e em Brasília
25 de março de 2020 às 18:28 | Atualizado 25 de março de 2020 às 18:34
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Foto: Isac Nóbrega-20/03/PR

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), afirmou nesta quarta-feira (25) que não cogita deixar o cargo.

"Eu não saio daqui. Saio daqui quando acharem que eu não devo mais ficar, o presidente que me nomeou, se eu ficar doente ou se eu sentir que eu não sou mais necessário, quando a crise tiver passado", disse.

Ele também ponderou o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, que criticou as medidas de restrição de circulação adotadas pelos governos de diversos estados.

Para o ministro, é preciso tomar cuidado com as especificidades de cada região e com os serviços essenciais. "Tem ações que foram tomadas que impedem o funcionamento do próprio sistema de saúde", disse.

Mandetta afirmou que quer discutir individualmente com os governadores quais são as atividades necessárias e as medidas que serão adotadas em casa região. O ministro diz que as decisões serão tomadas de acordo com critérios técnicos.

Assista e leia também:

Em rede nacional, Bolsonaro critica governadores: 'Por que fechar escolas?'

Análise: Com pronunciamento, Bolsonaro joga suas fichas na disputa de narrativas

"Não devemos desperdiçar chance de conter o vírus", recomenda OMS ao Brasil

"As pessoas precisam saber quando a quarentena termina. O prazo final precisa ser dito, por isso, não é uma medida que se toma do nada. É preciso planejamento", afirmou o ministro Mandetta, que deixou a entrevista coletiva antes das perguntas dos jornalistas. 

Pronunciamento

Segundo Daniela Lima, âncora da CNN, aliados, amigos e até parentes do ministro defenderam abertamente que o ministro pedisse demissão depois que o presidente Jair Bolsonaro contrariou em seu pronunciamento orientações das autoridades de saúde, incluindo do próprio Ministério da Saúde.

Em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão nesta terça, o presidente Jair Bolsonaro criticou "algumas poucas autoridades estaduais e municipais" que, segundo ele, adotaram o que chamou de "conceito de terra arrasada". Ele criticou medidas restritivas para o transporte, o comércio e, em especial, o fechamento de escolas.

"O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o de pessoas com mais de 60 anos. Então, por que fechar escolas?", questionou. O Ministério da Saúde manifestou desde o início da crise uma preocupação com o fato de crianças serem assintomáticas e, portanto, poderem transmitir o vírus sem que haja manifestação evidente da COVID-19.

Desde que foi confirmada transmissão comunitária no país, o ministro Luiz Henrique Mandetta recomenda evitar aglomerações, além da redução do contato social.

O presidente também disse que o vírus "brevemente passará". No entanto, a previsão do próprio Ministério da Saúde é de que a fase mais aguda da epidemia do novo coronavírus vai durar ao menos até julho.

Casos

De acordo com o balanço do Ministério da Saúde, o Brasil tem 2.433 casos confirmados do novo coronavírus (COVID-19), com um total de 57 óbitos. No balanço de terça-feira, o total de casos no Brasil era de 2.201, com 46 mortes. 

São Paulo é o estado com o maior número de casos — 862 no total. Depois vêm Rio de Janeiro (370), Ceará (200), Distrito Federal (160), Minas Gerais (133), Rio Grande do Sul (123) e Santa Catarina (109).