PE confirma mais duas mortes por COVID-19; pacientes receberam hidroxicloroquina


Da CNN, em São Paulo
26 de março de 2020 às 12:00 | Atualizado 26 de março de 2020 às 13:33
Tubo de teste para coronavírus com exame positivo

Pernambuco confirmou mais duas mortes por novo coronavírus

Foto: Dado Ruvic - 19.jan.2020/ Reuters

A secretaria estadual de saúde de Pernambuco confirmou mais duas mortes pelo novo coronavírus. O Estado contabiliza até o momento três óbitos. Tratam-se de dois pacientes, um morador do Recife e um estrangeiro, que estavam internados no Real Hospital Português (RHP). Ambos foram notificados no dia 12 de março. Nos dois casos foi administrada a hidroxicloroquina. Até a quarta-feira (25), Pernambuco confirmou 46 casos da COVID-19, distribuídos por seis municípios, além de ocorrência em pacientes de outro estado e países.

Uma das vítimas era um canadense de 79 anos. Ele chegou em Recife no dia 12 de março a bordo do navio de cruzeiro Silver Shadow. "Durante o desembarque, ele passou mal e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) Metropolitano do Recife foi acionado. Ao chegar ao local, a equipe médica do Samu verificou que o paciente apresentava febre e sintomas respiratórios (tosse e dificuldade de respirar), se encaixando como um caso suspeito para Covid-19. O canadense, ex-tabagista e com problema cardíaco, foi encaminhado ao Real Hospital Português, onde foi entubado e levado à UTI", afirmou a secretaria em nota.

De acordo com a secretaria, o paciente foi mantido em ventilação mecânica e hemodiálise, e recebeu doses do antiviral oseltamivir (tamiflu), indicado para tratar influenza em pessoas com quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Também foi utilizada a combinação entre azitromicina e hidroxicloroquina. Entretanto, não resistiu.

O segundo paciente é um homem de 69 anos, morador do Recife, hipertenso e com histórico de viagem para Portugal e Itália, com retorno ao estado em 10 de março. No dia 12, ele foi atendido em uma unidade de saúde privada, apresentando febre e alteração no sistema respiratório. Após receber a assistência e fazer a coleta de material para análise laboratorial, a secretaria informa que ele foi liberado para isolamento domiciliar.

"No dia 19, o paciente de 69 anos buscou outra emergência, a do Real Hospital Português, com dispneia e insuficiência respiratória. Na ocasião, foi entubado e levado à UTI. No dia 21, iniciou diálise. Dois dias depois, apesar da gravidade, estava sem febre e sem a necessidade do uso de drogas vasoativas. Na última quarta (25.03), teve uma piora da função renal. Durante a internação, utilizou antibiótico e também a combinação entre azitromicina e hidroxicloroquina. Não tinha indicação para uso do oseltamivir. Também veio a óbito na madrugada desta quinta", afirma a secretaria.

A primeira morte registrada em Pernambuco foi a de um homem de 85 ano, morador do Recife, na última quarta. Segundo a secretaria da Saúde, ele foi atendido no dia 19 de março em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento), com um quadro de febre, tosse seca, dispneia (dificuldade de respirar) e dor toráxica. O governo relata que o paciente recebeu assistência na UPA, foi entubado e, em seguida, transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, onde recebeu antibiótico e o antiviral oseltamivir.
 
"Apesar do idoso apresentar melhora no quadro respiratório e infeccioso, pelo seu histórico de comorbidades, teve uma piora na função renal, sendo necessário iniciar a hemodiálise na última terça-feira (24.03), um procedimento considerado de risco para pessoas acima dos 80 anos. Na manhã da última quarta, durante a sessão de diálise, o homem teve uma parada cardiorrespiratória. Apesar das tentativas de reanimação pela equipe médica, o senhor faleceu durante a manhã", conclui nota da secretaria.