Coronavírus dificulta a doação de sangue no país; saiba como doar

Jairo Nascimento Da CNN, no Rio
28 de março de 2020 às 12:31
Detalhe do estoque de sangue no Hemepar, o banco de sangue do Paraná, em Curitiba (25.mar.2020)
Foto: HEULER ANDREY/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONT

Os bancos de sangue pelo país estão enfrentando uma situação inédita. Apesar da costumeira falta de doadores, a pandemia da COVID-19 afastou mais os voluntários por problemas que vão da dificuldade com transporte público ao medo do contágio.

O doutor Luiz Amorin, diretor do Hemorio, explica que o impacto tem sido sentido, principalmente, nos bancos de sangue dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Os dois estados concentram o maior números de casos e morte no país.

As doações continuem apesar da dificuldade. Na capital fluminense, o serviço é ininterrupto. Luiz explica que cuidados para evitar a doença tem sido tomados. “Estamos fazendo apelo para as pessoas saírem de casa e doar. Podem agendar a doação de sangue com hora marcada, isso evita aglomerações. No Hemorio, temos um enfermeiro na porta pra medir a temperatura, já vê se tem algum sinal de coronavírus. Se tiver, dali mesmo, a pessoa volta. Afastamos as cadeiras na sala de doação para permitir que haja um distanciamento social.”, comentou o diretor que garante que todos os funcionários do banco de sangue tem usado os equipamentos de prevenção durante o atendimento da coleta.

Para doar, é preciso um documento de identificação, ter entre 16 e 69 anos e mais de 50 kg. Gravidez, doenças, histórico de cirurgias e anemia são alguns fatores que impedem a doação de sangue.

Após a pandemia, possíveis sintomas de COVID-19 também impedem a doação, pois “em condições normais, quem tem gripe não poderia doar normalmente. Em relação ao coronavírus, quem teve contato com pessoas com casos suspeitos ou confirmados, 30 dias sem doar. Tem teve contato com pessoas que chegaram do estrangeiro, 30 dias. Quem teve a doença, 30 dias sem doar e quem teve na forma grave não poderia doar por um ano. Quem tem sintomas gripais, falta de ar, coriza, febre ou tosse não pode doar por 30 dias. Por vias das dúvidas, não pode doar sangue”, explica.

Para reduzir a necessidade, o Hemorio procurou alternativas para continuar a coleta. “35% do sangue vem das nossas coletas itinerantes. Vamos em diversos locais da cidade, os lugares estão, em maioria, fechados. A gente tinha 65 coletas pra esse mês, mas só 5 ou 6 não foram canceladas. A gente tem ido ao Corpo de Bombeiros, quartéis e alguns locais de trabalho. À partir da próxima segunda-feira, vamos começar com projeto de ir aos condomínios, com hora marcada. Pode-se doar sem sair de casa. Estamos confiantes que essa ação possa dar resultado.”

Serviço: O Hemorio tem 25 locais de coleta pelo estado do Rio de Janeiro. O telefone para agendar doações é o 0800-2820708.