Infectologista explica diferença entre COVID-19 e H1N1: 'Situação mais complexa'

Rodrigo Contrera do Rio, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, analisou as diferenças entre a epidemia de H1N1, em 2009, e a COVID-19

Da CNN, em São Paulo
28 de março de 2020 às 20:21

O infectologista Rodrigo Contrera do Rio, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas e da Santa Casa de Misericórdia São Paulo, explicou, em entrevista à CNN, neste sábado (28), porque autoridades mundiais parecem estar mais preocupadas com a COVID-19 do que estiveram com a H1N1, que se alastrou em 2009, e disse que não é possível comparar as duas doenças já que se deram em contextos opostos. 

"COVID-19 e H1N1 podem dar quadros respiratórios semelhantes? Podem. Muitas vezes o médico que está atendendo vai ter uma grande dificuldade e vai ser impossível ele dizer se é uma gripe, um resfriado ou um COVID-19. Todavia, temos que entender porque esse cenário é tão diferente de 2009", diz ele.

"O que a gente via na época da H1N1 era uma situação em que existiam dois grande diferenciais: já tínhamos uma vacina e um tratamento, com um medicamento que é o oseltamivir - para os casos mais graves. E um terceiro diferencial: já ter um conhecimento maior do vírus, porque ele já era estudado havia muitas e muitas décadas", esclarece.

Com isso, o infectologista disse que o fato dos pesquisadores e médicos conhecerem o inimigo fazia toda a diferença no combate à H1N1. "Então, com certeza, estamos falando de uma situação diferente da qual estamos vivendo hoje, que é uma doença com três meses de existência, sem vacina e sem um tratamento específico que seja eficaz", pontua.

O infectologista ainda destaca que a hidroxicloroquina - que tem sido testada em pacientes do novo coronavírus em estado grave - não foi confirmada como totalmente eficaz. "Estamos falando de hidroxicloroquina e de testá-las com termos de consentimento em pacientes graves, mas nós não temos como dar a certeza de que, tal como disse o ministro [da Saúde, Luiz Henrique Mandetta], não seja uma panaceia. É uma medida baseada na ausência de outros tratamentos e também na gravidade dos doentes frente a essa perspectiva ruim", avalia.

Por fim, Contrera do Rio afirma que "estamos vivendo um momento onde a mortalidade está batendo à porta de todos os países e hospitais" e que o alarde atual não é exagero. "Não é porque estamos polemizando agora e não polemizou em 2009, mas porque, naquela época, realmente, apesar de ser uma doença grave e matar, o contexto é diferente. A situação hoje é mais complexa", conclui.

Em todo o mundo, já foram registrados 659 mil casos da COVID-19 - com, pelo menos 30 mil mortes e 139 mil recuperados, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. 

No Brasil, o Ministério da Saúde atualizou os números neste sábado (28) para 114 mortos e 3.904 casos confirmados em todo o país. Nas últimas 24 horas encerradas às 15h, 487 novos casos foram confirmados, alta de 14% de em relação ao dia anterior.