Crivella diz que pessoas contaminadas se tornam resistentes ao COVID-19

Alguns bares, flagrados em funcionamento, já foram multados, disse o prefeito do Rio

Gustavo Lago Da CNN, no Rio
29 de março de 2020 às 12:17
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos)
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

“A única maneira de ficarmos imunes é [se] contaminar e, 14 dias depois, a pessoa fica imune. E a vida continua”, argumenta Marcelo Crivella (Republicanos), em coletiva.

Na manhã deste domingo (29), o prefeito do Rio reforçou que apenas os serviços essenciais devem permanecer abertos, como oficinas mecânicas, bicicletarias e lojas de materiais para construção. E que alguns bares, flagrados em funcionamento, já foram multados.

Com a permanência dos serviços essenciais, o risco de contaminação pelo coronavírus ainda existe. No entanto, segundo Crivella, após infectada; a pessoa se torna imune à doença e sugere um cuidado maior com as mulheres.

“Faço um apelo aos sindicatos. Homens deveriam continuar trabalhando. A medida que as pessoas vão contraindo a doença, vão se tornando imunes. Já com o público feminino temos uma maior restrição e pedimos para que fiquem em casa. O contato da neta é muito maior com o avô e com a avó; do que com o neto”.

O número de casos da doença aumenta a cada dia. Em quatro favelas da capital fluminense, já se tem a confirmação de cinco pessoas com a COVID-19.

Questionado pela CNN, para saber quais estratégias o prefeito pretende tomar em relação a essas pessoas – uma vez que estas sofrem com a falta d’água e chegam a compartilhar o mesmo cômodo; Crivella se limitou a responder somente sobre a questão da água.

“Faço um apelo à Cedae. Peço para que Cedae forneça água para todas as comunidades. Para lavarem a mãos com água e sabão.”

Assim como em todo o Brasil, no Rio de Janeiro, também há falta de kits para realização de testes para o coronavírus. Com isso, está ocorrendo a subnotificação – que é quando a pessoa é tratada, apenas, como suspeita de estar com a doença. Crivella disse que, segundo o Governo Federal, os casos confirmados ficam na faixa de 15%, justamente pela falta dos insumos e defendeu que nem todos que procuram ajuda estão com a COVID-19.

“Muitos desses que estão aparecendo com síndrome respiratória, podem ser por outros problemas e não coronavírus. Vamos avaliar e analisar com mais cuidados ainda”.

O prefeito aproveitou para comentar a possibilidade da volta às aulas, em abril. Disse que seria um retorno escalonado com base nas análises às curvas e efeitos da doença entre a população.

“Imagina, as crianças de 0 a 9 anos. Não há casos de mortes no mundo. Elas poderiam voltar às aulas. Se a criança não é cardiopata, e o médico autorizar, ela pode voltar às aulas. A medida que essas pessoas forem imunizas a curva será sempre menor”.