Uip: "Não tenho cargo político e só estou nessa posição para ajudar"

O médico é coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo e tem sofrido ataques por não revelar usou cloroquina

Marcela Rahal Da CNN, em São Paulo
09 de abril de 2020 às 10:48
O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, David Uip, fala à CNN
Foto: CNN (06.abr.2020)


David Uip, médico coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, falou nesta quinta-feira durante videoconferência do Lide Live e se defendeu dos ataques que tem sofrido por não revelar  se foi ou não tratado com a cloroquina ou a hidroxicloroquina, medicamentos indicados para tratar malária.

O médico afirmou que por ética médica jamais poderia revelar como foi tratado: "Esse sigilo que eu me impus é pra proteção da sociedade. Se eu falo que eu tomei, seja lá o que for, vai haver corrida às farmácias. Se eu falo que não tomei, haverá descrédito na substância. O sigilo foi para preservação da sociedade".

David Uip falou ainda sobre a politização do tema: "Eu só quero ajudar: não tenho cargo, não recebo salário, não tenho nada e só quero ajudar, só estou nessa posição para ajudar. E fui vitima de um massacre na internet, minha família está muito incomodada. Fui atacado violentamente, em cima de uma politização que não tem o menor sentido.’.

O médico afirmou ainda que o distanciamento social evitou que numero de infectados fosse 10 vezes maior em São Paulo e foi fundamental para que o sistema de saúde fosse se organizando. ‘’Se isso não fosse feito, em maio já teríamos lotação dos hospitais.’’