UFRJ avança em terapia com células-tronco contra a COVID-19

Pesquisadora afirma que o estudo pode auxiliar no combate à doença, principalmente em casos mais graves

Da CNN em São Paulo
16 de abril de 2020 às 07:49

 

Em entrevista à CNN, nesta quinta-feira (16), Fernanda Cruz, pesquisadora e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) afirmou que, de acordo com estudos, a terapia com células-tronco demonstrou diminuição na resposta inflamatória das células do tecido pulmonar e listou vantagens da pesquisa para pacientes com o novo coronavírus e em estado grave. 

"Acreditamos que as céluas têm um poder antiflamatório muito importante. Planejamos utilizar em pacientes enquadrados em casos mais graves e entubados. Esperamos ter o mesmo resultado do laboratório, na clínica, não temos ainda com pacientes pois só podemos começar os experimentos após a validação dos órgãos reguladores", explica. "A gente acredita muito que essas células têm o potencial de cura e reestabelecimento do pulmão."

"Obviamente que o paciente vai ter todo o suporte de equipamentos que ele precisa neste momento, mas acreditamos muito que elas têm essa capacidade regenerativa e se mostrou bastante segura em outros ensaios clínicos. Também foi bem efetiva em resultados com outras doenças respiratórias".

O estudo, que já foi apresentado à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, do Ministério da Saúde, deve ser aprovado na próxima semana. Entretanto, para que o estudo seja direcionado a pacientes, efetivamente, a pesquisadora ponderou: "Só podemos começar os experimentos com pacientes após toda a parte burocrática do estudo. Uma vez que nós temos estabelecido que esta terapia é segura e tem alguns indícios de melhora, acreditamos que, aí sim, podemos passar para uma etapa maior, mas ainda dentro de estudos e de um ambiente controlado para garantir a segurança dos pacientes", conclui Fernanda Cruz.