Para Harvard, testes precisam aumentar 350.000 por dia para que os EUA reabram

Atualmente, Estados Unidos fazem 150.000 testes de coronavírus por dia.

Por Madeline Holcombe, CNN
20 de abril de 2020 às 02:05
Pesquisadores de Harvard afirmam que Estados Unidos precisam aumentar número de testes
Foto: Reprodução - 23.mar.2020/ Reuters

Se os Estados Unidos querem a economia rodando novamente, e que permaneça assim, os testes de coronavírus devem ser realizados ao menos 500 mil vezes por dia, dizem pesquisadores da universidade de Harvard. 

Atualmente, os testes em todo o país estão em 150.000 por dia, disseram eles, acrescentando que "se não podemos fazer pelo menos 500.000 testes por dia até 1º de maio, é difícil ver como podemos permanecer abertos".

Os EUA já registraram mais de 735.000 casos de coronavírus e 38.910 mortes, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Embora algumas autoridades tenham alertado contra, vários estados estão tentando reabrir o mais rápido possível.

A pesquisa sobre o déficit de testes foi realizada pelo Dr. Ashish Jha, diretor do Instituto Global de Saúde de Harvard, Dr. Thomas Tsai, pesquisador do Harvard T.H. Chan School of Public Health, e Benjamin Jacobson, assistente de pesquisa do Harvard Global Health Institute.

E o número de testes positivos também deverá ser muito menor, disseram os pesquisadores. Nos EUA, 20% dos testados para coronavírus obtêm resultados positivos. A Organização Mundial da Saúde disse que, para reabrir, esse número deve estar entre 3% e 12%.

Em uma diretriz de três etapas divulgada na semana passada, a Casa Branca afirmou que os estados podem entrar na primeira fase em direção à reabertura, depois de ver uma diminuição contínua ao longo de duas semanas. 

Os especialistas dizem há muito tempo que um dos principais fatores determinantes das decisões dos governos de reabrir suas economias deve ser o teste. Os testes são cruciais para determinar quem está infectado e oferece risco para os outros.

Contaminação atrasou testes 

Atualmente, os EUA carecem da capacidade de teste para a reabertura, e a implementação dos testes foi interrompida desde o início do surto nacional.

Esse atraso decorreu da contaminação na fabricação do teste de coronavírus dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, disseram várias autoridades de saúde à CNN. Parte dessa contaminação veio do CDC, que não aderiu aos seus próprios protocolos, de acordo com a Food and Drug Administration dos EUA. 

A administração disse que o teste foi feito em um laboratório do CDC, em vez de em uma de suas instalações de fabricação, o que não segue com seu protocolo. "As medidas rotineiras de controle de qualidade visam identificar esses tipos de problemas. Essas medidas não eram suficientes nessa circunstância,  o CDC implementou um controle de qualidade aprimorado para resolver o problema e avaliará daqui para frente", disse o porta-voz do CDC, Benjamin Haynes.

Estados flexibilizando restrições

Alguns estados já estão tomando medidas para começarem a reabrir, embora as mudanças sejam graduais e limitadas principalmente para atividades ao ar livre.

Na Carolina do Sul, o governador Henry McMaster deve anunciar segunda-feira que suspendeu as restrições de acesso à praia e lojas de varejo, de acordo com uma reportagem do jornal The Post and Courier, em Charleston. 

Na Flórida, os moradores lotaram as praias de Jacksonville depois que as autoridades anunciaram uma abertura suave na sexta à noite, permitindo atividades recreativas por várias horas por dia.

Mas o prefeito de Jacksonville, Lenny Curry, disse que as aberturas não significam que a área esteja nivelada, mas fornecem uma maneira responsável de se exercitar ao ar livre.

O governador do Texas, Greg Abbott, emitiu uma ordem executiva na sexta-feira, facilitando algumas medidas na próxima semana - ordenando a reabertura dos parques estaduais na segunda-feira, mas orientando os moradores a usarem máscaras, manter distância e permanecer em grupos de cinco pessoas ou menos. O estado tem mais de 18.000 infecções relatadas.

Abbott disse que o processo de reabertura do estado acontecerá gradualmente e será guiado por médicos especialistas.

Em Minnesota, o governador Tim Walz assinou um pedido que permite que muitas atividades ao ar livre - incluindo golfe, canoagem, caça e ciclismo - sejam retomadas na manhã de sábado, desde que os moradores sigam as diretrizes de distanciamento social, evitem espaços lotados e fiquem perto de casa.

Protestos 

Enquanto isso, alguns moradores estão saindo às ruas exigindo o fim das ordens de ficar em casa devido a preocupações com o impacto econômico.

Centenas de pessoas se reuniram em frente ao Capitólio do Texas em Austin no sábado para um comício "Você não pode fechar a América". 

Enquanto, em New Hampshire, uma multidão se formou do lado de fora da Casa do Estado, pedindo ao governador Chris Sununu que levantasse ordens de emergência.

Em Indianápolis, manifestantes se reuniram do lado de fora da casa do governador Eric Holcomb para protestar contra sua ordem de permanência em casa, que foi prorrogada até 1º de maio. Pessoas em carros desfilaram por Annapolis, Maryland, tocando a buzina e segurando placas pedindo ao governador Larry Hogan para impedir as restrições.

Demais ações estão planejados para os próximos dias, inclusive em Wisconsin, Kansas e Missouri.

Ben Dorr, que organizou o grupo Wisconsin contra a quarentena excessiva, disse à afiliada da CNN WFRV que teme a destruição econômica. "Centenas de milhares de trabalhadores estão desempregados. Centenas e milhares de pequenas empresas familiares estão sendo destruídas agora sob essa quarentena, sob esse bloqueio", disse Dorr à emissora.