Pesquisa mostra que 16% dos idosos vivem sozinhos na cidade de São Paulo


Da CNN, em São Paulo
22 de abril de 2020 às 12:38 | Atualizado 29 de abril de 2020 às 20:06

 

Em meio à crise da COVID-19 e as orientações para manter o isolamento social, uma informação sobre os idosos chama atenção. Na cidade de São Paulo, 16% deles vivem sozinhos, segundo dados de uma pesquisa feita pela Faculdade de Saúde pública da USP (Universidade de São Paulo). 

De acordo com o levantamento, a capital paulista tem 1,8 milhão de idosos, dos quais 290 mil moram sozinhos, 20 mil têm mais de 90 anos e mais de 8 mil não têm rede de apoio para quem pedir ajuda neste momento. 

Leia também:

Quarentena é bom momento para mudar hábitos alimentares, aconselha nutricionista

Brasileiros que vivem no exterior falam sobre isolamento social em cinco países

Com isso, esses idosos não têm como seguir integralmente as recomendações para ficar em casa durante a pandemia, conforme a coordenadora do estudo, Yeda Duarte, em vídeo enviado à CNN, nesta quarta-feira (22). "Muitas vezes nós criticamos as pessoas idosas dizendo que eles estão quebrando o isolamento, sabendo que são o grupo mais vulnerável, e que são teimosos e estão fazendo isso como se simplesmente agissem de forma a contrariar uma recomendação", diz. "Mas, antes de fazer isso, vamos perguntar se as pessoas têm a quem recorrer e quem pode ajudá-las nessa situação para que possam respeitar o distanciamento social e ficar de quarentena em casa", questiona. 

De acordo com o estudo, além da falta rede de apoio, outros fatores que fazem com quem os idosos não cumpram o isolamento social são o sentimento de solidão, a falta de acesso à internet ou o conhecimento para usar as ferramentas digitais para resolver problemas do dia a dia, além da falta de confiança em alguém para, por exemplo, ajudar em alguma situação.