Precisávamos de um isolamento mais rígido, diz secretário de Saúde do Rio

Segundo Edmar Santos, o Rio de Janeiro pode ter cerca de 140 mil pessoas contaminadas pelo novo coronavírus

Da CNN, em São Paulo
29 de abril de 2020 às 21:11 | Atualizado 29 de abril de 2020 às 21:46

 

O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, acredita que, neste momento, para conter o avanço do novo coronavírus, o estado do Rio de Janeiro deveria adotar medidas de isolamento "mais rígidas". "Eu não vejo outra saída senão um isolamento mantido para que nós possamos achatar essa curva", disse em entrevista para a CNN na noite desta quarta-feira (29). 

O distanciamento social no Rio de Janeiro perdeu aderência ao longo das semanas, o que tem feito a curva da doença na região crescer, tanto no número de casos como no de óbitos. Segundo o último balanço do Ministério da Saúde, o Rio de Janeiro tem 8.869 casos e 794 vítimas fatais da pandemia.

Mas, para a secretaria, o número de casos pode ser muito maior. "Nós projetamos algo em torno de 140 mil pessoas contaminadas. Isso [quer dizer que], pelas estatísticas internacionais, nas próximas semanas pode ser que nós tenhamos a necessidade de ter 21 mil internações em enfermarias e 7 mil em UTIs", disse. 

"Não tem sistema de saúde no mundo que dê conta dessa ampliação de leitos em um espaço tão curto de tempo, e nem de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas. Isso fará com que, em algumas semanas, infelizmente, o estado do Rio de Janeiro enfrente uma situação de desbalanço entre a necessidade de leitos e a possibilidade de tê-los", afirmou.

O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira que o Brasil tem um total de 78.162 casos e 5.466 mortes da doença.