Com 83% dos leitos de UTI ocupados, SP requisita mais 100 para a rede privada

Gestão estima que 800 leitos sejam necessários para evitar mortes por falta de equipamento

CNN em São Paulo*
12 de maio de 2020 às 16:06 | Atualizado 13 de maio de 2020 às 09:39

A Prefeitura de São Paulo publicou nesta terça-feira (12) um edital de chamamento público em que solicita 100 leitos de internação em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) a hospitais privados que operam na cidade. A estimativa da gestão Bruno Covas (PSDB) é que cerca de 800 leitos sejam necessários para evitar mortes por falta de vagas na cidade.

Leia também:

Hospitais de campanha em SP têm quase 60% dos leitos ocupados

Segundo boletim divulgado na segunda (11), há 423 pessoas internadas nas UTIs dos hospitais municipais. Na rede, há ainda outras 374 pessoas que estão internadas em leitos que receberam ventiladores mecânicos para garantir que elas continuem respirando.

O edital publicado nesta terça não tem prazo para recebimento das propostas. Qualquer hospital poderá se habilitar para receber os pacientes e fechar o acordo com a Prefeitura. O hospital receberá uma diária fechada de R$ 2.100 para cada paciente que atender.

O valor é maior do que o que é pago à cidade pelo SUS (Sistema Único de Saúde), que remunera o leito de UTI de pacientes com Covid-19 em R$ 1.600 (a diária antes da crise era R$ 800). Entretanto, o valor é menor do que os valores de mercado, segundo a Prefeitura. O dinheiro virá do tesouro municipal, que para esta primeira contratação reservou cerca de R$ 11,7 milhões.

A exigência é que o hospital se encarregue do tratamento de qualquer comorbidade que o paciente tiver para ser tratada, faça todos os exames necessários e forneça o atendimento complementar como fisioterapeuta, nutricionista e fonoaudióloga.

São Paulo é o epicentro da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Até esta segunda-feira, o estado havia confirmado 46.131 casos e 3.743 mortes por Covid-19.

(Com informações do Estadão Conteúdo)