Amazonas aponta queda em mortes por Covid-19 e estuda reabrir comércio em junho

Governador diz que pretende retomar obras e tomar medidas graduais para volta das atividades econômicas

Da CNN, em São Paulo
24 de maio de 2020 às 20:40

O estado do Amazonas está planejando reabrir o comércio após constatar queda no número de mortes por conta da Covid-19. O governador Wilson Lima (PSC) explicou à CNN neste domingo (24) que os estabelecimentos devem voltar a funcionar de forma gradual, junto com a retomada de obras públicas.

"Desde a semana passada sentimos a queda significativa ao número de casos no Estado, em relação a óbitos. A gente tem acompanhado a quantidade de enterros na capital (Manaus), que é um parâmetro mais seguro. No final de abril, início de maio, um dia houve 167 enterros; ontem, 48", compara.

"Tentamos encontrar um equilíbrio, ampliando o sistema de saúde, priorizando a vida das pessoas, mas entendendo a necessidade do mínimo possível do funcionamento das atividades econômicas. Vou reunir amanhã cedo nosso comitê para tomar providências com relação a essa estratégia da volta do comércio a partir de 1º de junho", adianta. 

Ele afirma que vai acompanhar como os números de casos e mortes serão esta semana. "Vamos retomar as atividades de forma gradual, começando com obras em alguns hospitais na semana que vem e, a partir de 1º de junho, retomar as principais obras de infraestrutura do estado, como a pavimentação de rodovias. Tudo isso condicionado à evolução do número de casos. Apesar de haver uma queda na capital, há uma subida no interior, estamos acompanhando atentamente. Hoje temos uma taxa de ocupação de 75% dos leitos de UTI e 60% dos clínicos".

Lima defende a reabertura do comércio e demais atividades. "Em algum momento a vida precisa voltar à normalidade, e isso tem de acontecer de forma gradual. A gente precisa encontrar o caminho do bom senso. Tenho conversado muito para que isso seja feito de forma responsável. Em algum momento as pessoas não vão aguentar ficar em casa, precisam sair para garantir o sustento de suas familias. Estamos ampliando nossa rede de saúde, mas precisamos de o mínimo de atividade econômica em funcionamento".

O governador ressalva que pode voltar atrás, se o número de casos e mortes subir. "Provavelmente o Amazonas tenha sido o primeiro Estado a atingir o pico da doença. O que temos observado nos últimos dias é que houve uma diminuição significativa. Os números precisam continuar caindo. Se a gente reabrir e tiver uma subida desses casos, não temos o menor problema em voltar às medidas restritivas".