Covid-19: Alemanha compra 23% de empresa e libera teste de vacina em humanos

Grupo de biotecnologia CureVac se tornará o segundo a realizar testes experimental em humanos no país

Ludwig Burger e Patricia Weiss, da Reuters
16 de junho de 2020 às 18:22
Funcionário da CureVac demonstra fluxo de pesquisa para vacina contra coronavírus
Foto: Andreas Gebert/Reuters

A empresa de biotecnologia CureVac se tornará a segunda a realizar testes de uma vacina experimental contra coronavírus em humanos na Alemanha, disseram duas pessoas conhecedoras dos planos à Reuters nesta terça-feira (16).

O teste clínico, que será anunciado na quarta-feira (17), é o segundo a ser aprovado pelo Instituto Paul Ehrlich, a agência reguladora alemã – um teste da BioNTech foi iniciado em abril.

A CureVac e o Instituto Paul Ehrlich não quiseram comentar.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lista 11 vacinas experimentais contra coronavírus sendo testadas em humanos atualmente, de acordo com uma tabela publicada em seu site.

Leia também:

Imperial College inicia testes em humanos de potencial vacina para Covid-19

Brasil tem duas áreas para desenvolver vacina nacional, diz Pazuello

Na segunda-feira (15), o governo alemão revelou um acordo para receber uma participação de 23% na CureVac em troca de uma injeção de 300 milhões de euros.

Mais tarde no mesmo dia, um documento do Ministério das Finanças visto pela Reuters mostrou que a empresa controlada por Dietmar Hopp, cofundador da empresa de software SAP, planeja uma oferta pública inicial nos Estados Unidos no mês que vem.

Na semana passada, a Alemanha e países parceiros da União Europeia prometeram recursos para a produção de uma vacina experimental sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, dizendo que precisam apostar em várias outras candidatas.

Reino Unido e Estados Unidos já assumiram compromissos para garantir centenas de milhões de doses da vacina da AstraZeneca, que se baseia na chamada tecnologia de vetor viral, e desenvolvedores de todo o mundo se preparam para começar a fabricar antes mesmo de saber se suas candidatas passarão pelos testes.

Reportagens de março segundo as quais os Estados Unidos tentaram ter acesso à CureVac ou sua vacina provocaram uma reação política na Alemanha, onde membros do governo pediram que ela continue sendo de propriedade alemã.

A administração da CureVac nega ter recebido ofertas dos Estados Unidos.

A empresa, que tem sede em Tuebingen e é apoiada pela Fundação Bill & Melinda Gates, está usando a abordagem conhecida como RNA mensageiro, como a BioNTech e sua parceira Pfizer, além da Moderna.

A Translate Bio e sua parceira Sanofi também estão trabalhando em uma vacina de RNA mensageiro contra o coronavírus.