Surto no Cazaquistão: novo vírus é pior que o da Covid-19?

O presidente Kassym-Jomart Tokayev ameaçou demitir todo o ministério se o governo não contiver um novo surto da doença 

Lourival Sant'Anna
Por Lourival Sant'Anna, CNN  
10 de julho de 2020 às 17:53 | Atualizado 10 de julho de 2020 às 19:12

O governo do Cazaquistão negou que o país esteja enfrentando um vírus desconhecido que causa pneumonia mais grave que o da Covid-19. Mas o presidente Kassym-Jomart Tokayev ameaçou demitir todo o ministério se o governo não contiver um novo surto da doença. 

A embaixada da China em Nursultan advertiu seus cidadãos na capital cazaque e em outras cidades de que essa pneumonia teria matado 1.772 pessoas este ano, incluindo alguns cidadãos chineses. Só em junho teriam morrido 628 pessoas. “Essa doença é muito mais mortal do que a Covid-19”, afirma o comunicado.

O Ministério da Saúde do Cazaquistão reconheceu a existência de “pneumonias virais de etiologia (origem) não-especificada”.

 
Foto: Brendan McDermid - 28.fev.2020/ Reuters


O órgão argumentou que as diretrizes da Organização Mundial de Saúde permitem registrar como “não-especificada” uma pneumonia “quando a infecção de coronavírus é diagnosticada clínica e epidemiologicamente mas não confirmada por teste de laboratório”.

Leia também:

Usar máscara é a melhor maneira de reduzir a transmissão da Covid-19, diz estudo

O que fazer se você estiver suando de máscara?

Já o diretor do Programa de Emergências da OMS, o irlandês Mike Ryan, afirmou em Genebra que o surto no Cazaquistão está “no radar” da organização, mas pode não ser algo novo: “A trajetória crescente de Covid-19 no país sugere que muitos desses casos são na verdade Covid-19 não-diagnosticada”. 

O Cazaquistão voltou a impor um lockdown nacional no domingo, dia 5, por causa do aumento de casos novos, que na quinta-feira bateram o recorde diário de 1.962, mas nesta sexta caíram para 1.726. O país tem no total quase 55 mil casos confirmados e 264 mortes. Mas, assim como nos outros países da Ásia Central, os especialistas suspeitam que haja uma forte subnotificação nessa segunda onda.