Brasil tem mais de mil mortes no sábado e chega a 71.469 óbitos por Covid-19

André Jankavski, da CNN, em São Paulo
11 de julho de 2020 às 19:16 | Atualizado 11 de julho de 2020 às 19:33
Profissionais da saúde aplicam testes para detecção do novo coronavírus em São Paulo: Brasil ultrapassa os 71,4 mil óbitos
Foto: Amanda Perobelli - 26.jun.2020/Reuters

O número de mortes por Covid-19 segue crescendo no Brasil. Neste sábado (11), o Brasil registrou mais 1.071 mortes do novo coronavírus e alcançou a marca de 71.469 óbitos confirmados. O total de casos chegou a 1.813.850 com novas 39.023 infecções registradas.

O Brasil é o segundo país do mundo em número de casos e de mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

São Paulo é o estado com mais afetados pela doença, com 366.890 casos e 17.702 mortes. Nas últimas 24 horas, o estado registrou 7.780 infecções e 260 mortes. 

Leia também:
Albert Einstein afasta médica Nise Yamaguchi após fala sobre holocausto
'Síndrome do coração partido' aumentou durante a pandemia, diz estudo

O Ceará ocupa a segunda a colocação, com 135.945 casos e 6.853 mortes. O número de infecções, no entanto, está escalando mais rápido que o de São Paulo: 2.399 novos casos foram registrados nas últimas 24 horas. 

O Rio de Janeiro, por sua vez, contabiliza 129.675 casos e 11.406 óbitos (232 infecções e 126 mortes nas últimas 24 horas). 

Ainda segundo o Ministério da Saúde, o país possui 1.100.873 pacientes recuperados da doença e 667.508 em acompanhamento.

Mudanças 

Na quinta-feira, o Ministério da Saúde alterou as orientações para pessoas com sintomas leves da doença e passou a pedir para que esses pacientes procurem um médico, alegando que o tratamento precoce reduz a necessidade do uso de respiradores.

Ao mesmo tempo em que a pandemia avança em algumas regiões, as reaberturas continuam. O exemplo mais notório é de São Paulo, que segue como o estado com o maior número de vítimas. Apesar disso, o governador João Doria (PSDB) renovou a quarentena no Estado até 30 de julho, apesar das recentes medidas de flexibilização do isolamento.

* com informações da Reuters