Coronavac: gerente da Anvisa explica critérios e período de testagem da vacina


Da CNN
20 de julho de 2020 às 09:20 | Atualizado 20 de julho de 2020 às 09:20

O gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Gustavo Mendes, afirmou à CNN nesta segunda-feira (20) que na Fase 3 dos testes da vacina chinesa Coronavac o objetivo é verificar se ela é segura e eficaz, além de determinar a porcentagem de pessoas que a substância conseguirá imunizar.

Segundo ele, essa etapa costuma demorar muito tempo, mas no cenário atual - em meio à pandemia da Covid-19 -, há novas estratégias para acelerar esses estudos.

A Anvisa autorizou o Instituto Butantan a iniciar os testes da vacina Coronavac nesta segunda em São Paulo.

Assista e leia também:

Diretor do Butantan: vacina pode controlar Covid-19, mas não impedir circulação

CoronaVac: diretor do Instituto Butantan revela etapas da vacina no Brasil

Qual a diferença entre a vacina de Oxford e a do Butantan? Médica responde

"A gente espera que em alguns meses tenha dados preliminares para poder avaliar o desempenho. Mas isso depende da capacidade do centro de recrutar e da capacidade de ter voluntários que vão conseguir se incluir nos critérios de recrutamento", disse Mendes.

Ele afirmou ainda que o Brasil tem sido muito buscado para realizar pesquisas de vacina, pois há uma exposição muito grande do vírus no país.

Na semana passada, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou à CNN que a vacina feita pelo laboratório Sinovac pode ser aprovada pela Anvisa em novembro, caso a terceira e última fase de testes ocorra como o esperado.

"Estamos desenvolvendo a terceira fase de testes da vacina da Sinovac com o Instituto Butantan com 9 mil voluntários - todos médicos e paramédicos - de seis estados. O medicamento foi elogiado nessa sexta-feira (17) pela OMS como uma vacina qualificada e bem avançada para a imunização da população. Se os resultados forem bons e sem efeitos colaterais, a vacina poderá ser aprovada no início de novembro para ser fabricada em larga escala no Brasil", disse o governador paulista.

(Edição: Luiz Raatz)