Diretor diz que Anvisa garantirá segurança de vacinas contra Covid-19 no Brasil

'Temos uma expectativa, espero que não seja frustrada, que nessa virada de 2020 para 2021 já tenhamos uma resposta vacinal eficaz', disse Antônio Barra.

Guilherme Venaglia, da CNN em São Paulo
22 de julho de 2020 às 20:52 | Atualizado 23 de julho de 2020 às 13:41

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o médico Antônio Barra, afirmou em entrevista exclusiva à CNN que o órgão acredita que uma vacina contra a Covid-19 possa estar disponível no início de 2021.

"Temos uma expectativa, espero que não seja frustrada, que nessa virada de 2020 para 2021 já tenhamos uma resposta vacinal eficaz", disse Barra.

O diretor da Anvisa afirmou que a agência pretende adotar o processo mais célere possível para registrar uma vacina tão logo algum dos projetos de pesquisa em andamento reúna o suficiente para que esta seja considerada eficaz.

Barra afirma que a Anvisa vai acompanhar as etapas da pesquisa para que esse processo seja acelerado quando chegar a hora. "No momento do registro, não teremos nenhuma documentação ou fato que não tenhamos conhecimento", afirma.

Antonio Barra avaliou que o projeto da farmacêutica AstraZeneca e da Universidade de Oxford seja o mais avançado, posição também externada mais cedo pelo ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.

Assista e leia também:

Brasil bate recorde de novos casos confirmados de Covid-19 em 24 horas

Para OMS, vacinação contra Covid-19 começará apenas em 2021

Corrida por vacina contra Covid-19 não afeta qualidade, diz diretora da Pfizer

O diretor da agência disse, no entanto, que o acompanhamento próximo também inclui outros projetos, como o da chinesa Sinovac, e que todos terão o mesmo tratamento da Anvisa. O teste da Sinovac é feito no Brasil em parceria com o Instituto Butantan e promovido pelo Governo de São Paulo.

Na entrevista à CNN, o médico afirmou que está comprometido a combater o "negacionismo" e que a Anvisa sustentará que é segura qualquer vacina que seja autorizada pela agência no país. "Confie nas suas instituições", defendeu Barra.

O diretor-presidente da Anvisa defendeu acreditar que "estamos em uma fase de estabilização" e que apesar de ser preocupante, por ser uma estabilização em patamar alto, a sua expectativa é que seja o ponto de inflexão para que se inicie uma queda.