Américas do Sul e Central continuam como 'epicentro de transmissão', afirma OMS


Estadão Conteúdo
30 de julho de 2020 às 13:21 | Atualizado 30 de julho de 2020 às 13:38
Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS

Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS

Foto: Denis Balibouse - 03.mai.2020 / Reuters

Diretor executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan afirmou que as Américas do Sul e Central continuam a ser "um epicentro da transmissão" da Covid-19.

Durante entrevista coletiva nesta quinta-feira (30), Ryan destacou que "muito trabalho ainda precisa ser feito para conter a transmissão e evitar a exposição no nível comunitário" na região.

Leia também:

OMS: Coreia do Norte fez mais de 1.000 testes e todos deram negativo para Covid

Para OMS, vacinação contra Covid-19 começará apenas em 2021

Ryan considerou a situação regional "mista", mas com algumas nações com "transmissão muito intensa". "Ainda vemos uma situação muito desafiadora para os países", destacou.

Ele lembrou que algumas comunidades indígenas e outras, em localidades mais distantes, enfrentam mais dificuldades para acessar os serviços de saúde na área.

Também presente na coletiva, a responsável pela resposta da OMS ao coronavírus, Maria Van Kerkhove, comentou sobre o quadro mais geral, em outro momento.

Ela pediu que as pessoas sigam as recomendações já apontadas como bem-sucedidas no combate à pandemia, como o distanciamento físico e o uso de máscaras, a fim de evitar novos surtos da doença.