Correspondente Médico: O que significa ser assintomático para Covid-19?

Neurocirurgião Fernando Gomes explica os riscos que o coronavírus pode causar, mesmo para as pessoas que não apresentam sintomas

Da CNN
13 de agosto de 2020 às 11:20 | Atualizado 13 de agosto de 2020 às 11:23

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou nesta quarta-feira (12) que testou positivo para o novo coronavírus. Em mensagem publicada em sua conta no Twitter, Doria escreveu que segue o princípio da total transparência "com que temos lidados com a pandemia".

Em entrevista à CNN, Doria disse que está bem, que não está fazendo uso de hidroxicloroquina e nenhum outro medicamento para tratar da doença, apenas o isolamento.

Na edição desta quinta-feira (13) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou o que é um quadro assintomático e avaliou quais os danos que a Covid-19 pode causar em pessoas sem sintomas.

"A grande pergunta que temos que fazer é: por que algumas pessoas são assintomáticas? Temos várias frentes de avaliação neste aspecto. Às vezes pode ser uma relação genética da pessoa com um desenvolvimento diferente do sistema imunológico e a carga viral. Não adianta só testar. O próprio governador fez os testes seis vezes. Você precisa testar e a partir do resultado, ter um comportamento ativo", explicou. 

Leia também: 

Haverá 15 milhões de doses da Coronavac no SUS até dezembro, diz Doria
Doria afirma que vacina anunciada pela Rússia não será produzida em SP

Correspondente Médico: Quais danos a Covid-19 pode causar a assintomáticos?
Foto: Reprodução/CNN

O médico reforça ainda que, mesmo não apresentando sintomas da Covid-19, é necessário ter empatia e respeitar os protocolos para segurança do indivíduo.

"O governador, por exemplo, está isolado agora porque durante este período ele pode passar a doença para as outras pessoas. Não adianta falar que vai aumentar a capacidade de testes, se a gente não seguir protocolos e não se preocupar com os outros, todo este esforço acaba sendo em vão", disse.

No entanto, Fernando Gomes chamou a atenção de indivíduos que acreditam que não transmitem o vírus. Segundo ele, outras pessoas podem ser contaminadas por não terem a mesma 'sorte' dos assintomáticos. 

"A maioria das pessoas, cerca de 85% delas, não apresentam gravidade dos casos. Porém, apesar destas pessoas não sofrerem com a doença, elas podem transmitir a doença para outras que não possuem a mesma sorte e ter uma manifestação ainda mais forte. É preciso ter cautela e seguir os protocolos", finalizou.

(Edição: André Rigue)