Insumos para vacina devem chegar em dezembro no país, diz secretário da Saúde

Está previsão que o primeiro lote, de 15 milhões de doses, possa ser distribuído para a população brasileira em janeiro de 2021

Da CNN, em São Paulo
21 de agosto de 2020 às 19:58 | Atualizado 21 de agosto de 2020 às 20:49

O secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto, explicou à CNN como será a produção da vacina da Universidade de Oxford contra o novo coronavírus no país.

As negociações estão sendo feitas entre a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a AstraZeneca, farmacêutica europeia parceira da universidade no projeto.

A entrega dos insumos para a produção da imunização à Fiocruz está prevista para dezembro deste ano. Com a chegada dos suprimentos, afirma, a previsão é que o primeiro lote, de 15 milhões de doses, possa ser distribuído para a população brasileira em janeiro de 2021.

Na sequência, vão chegar mais insumos, e outro lote será produzido e distribuído. 

Assista e leia também:

Vacinação deve começar em janeiro e produção local em abril, diz Saúde

Por que é importante para o Brasil ter vacina nacional contra a Covid-19

“A partir de abril, teremos a possibilidade tecnológica e científica de produzir a vacina no Brasil”, falou.

“É claro que queremos produzir a vacina internamente o quanto antes. Mas contamos com a seriedade da AstraZeneca, que se comprometeu a fazer essa entrega de insumos e reservar os lotes para o país”, completou.

Dessa forma, de acordo com o secretário, o Brasil terá a possibilidade, de fato, de trazer uma boa opção de imunização para os cidadãos brasileiros. 

Critérios de vacinação

Segundo Neto, já existe um planejamento de distribuição da imunização contra a Covid-19 para os brasileiros. Porém, os “detalhes finos” do planejamento dependem de dados que ainda serão liberados a partir das pesquisas. 

Ainda assim, alguns critérios já estão estabelecidos, como o grau de fragilidade e vulnerabilidade dos indivíduos. “Eles têm uma prerrogativa de receber [a vacina] o quanto antes”, falou.

Além disso, Neto afirmou que é preciso olhar com atenção para aquelas pessoas que se expõem constantemente, como os profissionais da saúde e da segurança pública.