Brasil registra mais 16 mil casos e 366 mortes por Covid-19

Ao todo, país já confirmou 3.862.311 diagnósticos e 120.828 vítimas fatais da doença causada pelo novo coronavírus

Anna Satie, da CNN em São Paulo
30 de agosto de 2020 às 18:32
Pessoas se reúnem do lado de fora do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, em meio à pandemia da Covid-19
Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo (30.ago.2020)

O Brasil registrou neste domingo (30) mais 16.158 casos e 366 mortes pela Covid-19. Ao todo, o país soma 3.862.311 diagnósticos e 120.828 vítimas fatais da doença causada pelo novo coronavírus. 

Os números são bastante inferiores à média registrada na última semana, de cerca de 890 mortes e 37 mil casos diários. No entanto, é comum que sejam contabilizados menos episódios aos domingos e segundas-feiras por conta do funcionamento dos laboratórios e secretarias estaduais da Saúde. 

É necessário aguardar para ver se a diminuição se sustenta ao longo da semana. 

São Paulo segue como o estado com a maior incidência do vírus, com 803.404 casos e 29.978 mortes. Em seguida, aparecem Bahia (256.062 casos e 5.344 mortes), Rio de Janeiro (223.302 casos e 16.027 mortes) e Minas Gerais, que com 215.050 casos, ultrapassou o Ceará (214.457 casos e 8.384 mortes), como o quarto estado mais afetado.

Leia também:

Com temperaturas altas, aglomerações são registradas em SP e RJ

Sem respeitar regras, cariocas lotam praias em domingo de sol no Rio de Janeiro

Distanciamento de 1 ou 2 metros pode não bastar para evitar contágio da Covid-19

Com aumento na temperatura, aglomerações foram registradas neste domingo em São Paulo e no Rio de Janeiro. Imagens mostram locais lotados, apesar das restrições para conter o contágio pelo vírus. 

Em entrevista à CNN, o infectologista e professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista), Alexandre Naime Barbosa, afirmou que a situação no país não permite uma volta à normalidade. "A gente vê uma confusão entre flexibilização e normalização. Não vivemos no Brasil um estado que permita a normalização das coisas", disse.

"O uso da praia, se fosse feito de maneira individual, por núcleos familiares, não teria problema. Mas o que a gente vê nas imagens é uma grande aglomeração de pessoas que não têm contato direto, o que pode ser uma fonte de transmissão do vírus causador da Covid-19", alertou.