Visão Responde: praias lotadas aumentam risco de contágio da Covid-19?

Para a infectologista Rosana Richtmann, não se trata mais do que podemos ou não fazer, mas de como fazer (da maneira mais segura possível)

Da CNN, em São Paulo
31 de agosto de 2020 às 15:38 | Atualizado 31 de agosto de 2020 às 15:41

O último fim de semana foi marcado por dias ensolarados e praias lotadas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Nas imagens registradas nem parecia que estamos no meio de uma pandemia. 

A favor de que as pessoas saiam para ambientes arejados e abertos, a infectologista Rosana Richtmann reconhece que a população está cansada de manter o isolamento social, mas afirma que não se pode esquecer de que há uma pandemia em curso e que é preciso ter bom senso e respeito com o outro. 

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (31), Richtmann observa que não se trata mais do que podemos ou não fazer, mas de como fazer – da maneira mais segura possível. 

Como uma das formas de transmissão do vírus é pelo ar, Rosana explica que é preferível ir à praia do que a bares e restaurantes, por exemplo.

Mas como fazer isso de forma segura?

Assista e leia também:

Rio e São Paulo têm aglomerações em domingo de temperatura alta

Cidades da Baixada Santista liberam ambulantes nas praias

Sem respeitar regras, cariocas lotam praias em domingo de sol no Rio de Janeiro

A infectologista Rosana Richtmann
Foto: CNN (31.ago.2020)

Para ela, neste momento, não faz sentido ir à praia, montar uma barraca e ocupar a areia por horas. O ideal, segundo a infectologista, é chegar no local, caminhar, dar um mergulho e ir embora.

Se não for sozinho, a recomendação é organizar seu divertimento. Crie uma espécie de “ninho” na areia com a sua família ou pessoas do seu convívio, ao invés de aglomerar entre pessoas que você não conheçe.

Banhistas na praia de Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro
Foto: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo (30.ago.2020)

Como não é possível utilizar máscara no mar, mantenha o distanciamento de, pelo menos, 1,5 m na água. 

“Esse tipo de coisa deveria partir de nós próprios, para não ter que chegar no ponto de, novamente, sermos proibidos de frequentar a praia”, diz ela sobre sabermos utilizar esse benefício que estamos progressivamente ganhando.  

(Edição: Sinara Peixoto)