Visão Responde: perda de olfato devido à Covid-19 indica sequela cerebral?


Da CNN, em São Paulo
02 de setembro de 2020 às 15:18

Um dos sintomas mais comuns da Covid-19 é a perda total ou parcial do olfato – a chamada anosmia. Para entender melhor os riscos e buscar tratamentos, um grupo de pesquisadores da faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto faz um estudo sobre o tema.

Alline Campos, uma das pesquisadoras do estudo e professora do departamento de Farmacologia da instituição, explicou em entrevista à CNN que cada paciente reage de uma maneira aos sintomas da Covid-19, e que é comum que doenças no trato respiratório causem perda de olfato e paladar transitório.

Segundo a docente, o que a pesquisa quer descobrir é se a perda de olfato ou paladar significa que o novo coronavírus impacta o funcionamento do nosso cérebro.

“Atrás do nosso nariz têm neurônios, que são células que compõem o sistema nervoso. Queremos entender se o vírus consegue chegar até lá e, se chega, se consegue prejudicar o funcionamento desses neurônios”, esclareceu ela.

Assista e leia também:

Aplicativo do HC de SP vai monitorar testes e sintomas de Covid-19

Brasil tem a menor taxa de contágio da Covid-19 desde abril, diz universidade

Novo estudo revela mais sobre possíveis riscos da Covid-19 para grávidas

Alline Campos

Alline Campos, professora do departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto

Foto: CNN (02.set.2020)

No caso do novo coronavírus, se o indivíduo teve o diagnóstico positivo recentemente, é normal que esteja tendo uma perda no paladar ou no olfato. Entretanto, se faz muito tempo, o ideal é procurar auxílio médico, de preferência de um otorrinolaringologista ou neurologista.

Além disso, Segundo Alline, a anosmia, além de ser um sintoma de uma doença respiratória, é também muito comum em pacientes com doenças neurodegenerativas, como parkinson, alzheimer e esclerose múltipla.

“Queremos entender se essa anosmia que está sendo causada pelo coronavírus pode, no futuro, se constituir um fator de risco para essas pessoas desenvolverem essas doenças”.

Os primeiros resultados da pesquisa, de acordo com a pesquisadora, devem terminar até o final deste mês.