Fase 3 de testes detecta problemas antes não observados, diz sanitarista

"Se o efeito adverso for persistente, é possível que o estudo não possa prosseguir", disse o professor de saúde pública Sérgio Zanetta

Da CNN, em São Paulo
09 de setembro de 2020 às 15:27

O médico sanitarista e professor de saúde pública do Centro Universitário São Camilo (SP), Sérgio Zanetta, falou em entrevista à CNN sobre a suspensão dos testes da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

Ele explica que os estudos da fase 3 de testes clínicos existem para detectar problemas que não foram observados em outros estudos menores, justamente para proteger os usuários finais.

“Temos dezenas de vacinas e existem fases para cumprir. Estamos no terceiro estágio da fase clínica onde já foi testada segurança e atividade biológica num grupo pequeno de pessoas. Agora, é testada novamente a eficácia e segurança em alguns milhares de pessoas”, esclarece. 

A decisão de se suspender os testes foi anunciada após uma suspeita de reação adversa séria em um participante do estudo. Um porta-voz da AstraZeneca disse que o problema ocorreu com um voluntário no Reino Unido, e os testes do imunizante foram interrompidos em todo o mundo, inclusive no Brasil.

Assista e leia também:

O que se sabe sobre a vacina de Oxford após a suspensão dos testes

Pausa em testes de vacina mostra critério e cuidado, diz ex-presidente da Anvisa

Sérgio Zanetta, médico sanitarista e professor de saúde pública do Centro Universitário São Camilo (SP)
Foto: CNN (09.set.2020)

“Se o efeito adverso for persistente, é possível – e já aconteceu isso – que o estudo não possa prosseguir. Se isso for revertido, o estudo retoma e pode ser eventualmente concluído até o julho de 2021, que é o seu prazo”.

Zanetta reitera ainda que, quem diz que a vacina estará pronta para uso antes da finalização do ensaio clínico da fase 3 “ou não sabe o que está falando ou realmente tem conflito de interesses”.

(Edição: Sinara Peixoto)