Nuvens estão se alimentando da fuligem das queimadas, diz professor da USP

Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da USP, diz a chuva com fuligem pode atingir um nível de acidez ruim para o corpo humano

Da CNN, em São Paulo
18 de setembro de 2020 às 16:53

Os efeitos das queimadas na Amazônia e principalmente no Pantanal estão chegando aos estados do sul e sudeste do país, segundo Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da USP em entrevista à CNN nesta sexta-feira (18).

“Temos uma quantidade brutal de queimadas na Amazônia e no Pantanal. A fumaça lançada por estes atos está chegando aos estados do sul e sudeste,” diz Artaxo.

“Como temos uma frente fria no sul do Brasil, a fumaça está se concentrando próxima ao estado de São Paulo. A concentração de fumaça vai para as nuvens, que se alimenta da fuligem preta e pode gerar uma chuva escura.”

Leia também

Incêndios no Pantanal e na Amazônia são de origem humana, diz climatologista

Área queimada no Pantanal equivale a 3 milhões de estádios do Maracanã

Bolsonaro diz que avião arremeteu ao chegar em MT por falta de visibilidade

Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da USP
Foto: CNN (18.set.2020)

Ele alerta que as queimadas podem afetar a saúde dos brasileiros, dizendo que as chuvas com a fuligem das queimadas podem ganhar uma acidez ruim para o corpo humano.

O especialista explica maneiras de reduzir os impactos destes efeitos na saúde da população.

“O que vemos nessas queimadas é um nível de qualidade do ar muito baixo, com uma atmosfera insalubre. A recomendação é ficar em casa, com janelas fechadas para dificultar a entrada da fumaça tóxica na residência.

“A máscara também é absolutamente necessária já que ajuda a filtrar um pouco do material poluente destas queimadas. O ideal é não se expor a chuva por conta da acidez alta.”

(Edição: Sinara Peixoto)