Instabilidade política atrasa acordo do RJ por vacina israelense contra Covid-19

Rio pode se tornar um local de testes da vacina em desenvolvimento pelo Instituto de Pesquisa Biológica de Israel, mas negociações estão paralisadas

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
21 de setembro de 2020 às 14:26

A instabilidade política do Rio de Janeiro atrapalha as conversas do estado para testar uma das vacinas em desenvolvimento para prevenir o coronavírus. Em meio às mudanças e denúncias contra o governo, a Secretaria Estadual de Saúde, estava em negociação para fazer do Rio um local de testes da vacina em desenvolvimento pelo Instituto de Pesquisa Biológica de Israel, mas os trâmites foram paralisados porque esbarraram no clima de incertezas políticas que  pairam no Executivo fluminense. 

Leia mais:
SP deve ter 40 milhões de doses até o fim do ano além das 6 milhões anunciadas

A CNN apurou junto a quatro fontes do estado que, no final de agosto, o então governador Wilson Witzel iniciou tratativas confidenciais com o instituto. No entanto, cerca de uma semana depois do começo da negociação, Witzel foi afastado do cargo por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o tema perdeu prioridade em meio ao começo tumultuado do governo Cláudio Castro, com diversas mudanças no secretariado.

Na semana passada, representantes da Secretaria de Saúde do Rio conversaram com o Ministério da Saúde sobre as tratativas com o instituto israelense - o governo federal deve participar das negociações, que a partir de agora também terá a colaboração da Embaixada de Israel. 

Na avaliação dessas fontes os fatores que pausaram a negociação são: a mudança de governador, as diversas investigações contra a cúpula do Executivo fluminense e, agora, o recente anúncio do pedido de demissão do secretário de Saúde Alex Bousquet.

Nos primeiros movimentos de conversa entre o Rio e Israel, a parceria começou a ser negociada para que além de o Estado se tornasse o local dos testes da vacina no Brasil, receberia também toda a tecnologia para produzi-la. 

De acordo com levantamento da Organização Mundial da Saúde, publicado no dia 17 deste mês, a vacina contra coronavírus desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Biológica de Israel é uma das 146 ao redor do mundo que estão na fase pré-clínica, ou seja, o momento em que os testes são feitos em animais. De acordo com informações da mídia israelense, os testes com humanos estão previstos para começar no mês que vem. 

A expectativa do governo do Rio é, agora, pelo auxílio federal nas negociações. Na avaliação de uma das fontes ouvidas pela reportagem, o acordo com Israel é importante não só pela perspectiva de avanço e intercâmbio tecnológico, mas para “tirar a secretaria de saúde das páginas policiais”.