Outros anti-inflamatórios podem ser usados contra a Covid-19, diz cientista


Da CNN, em São Paulo
24 de setembro de 2020 às 18:28

Pesquisadores da USP de Ribeirão Preto e da Universidade da Pennsylvania, nos Estados Unidos, realizaram estudos que concluíram que dois anti-inflamatórios são eficazes em pacientes com a Covid-19 em estado grave.

Enquanto o grupo brasileiro ministrou o anticorpo monoclonal eculizumabe, os americanos utilizaram uma droga experimental chamada AMY-100. Em comum, as duas inibem a atuação do sistema complemento, parte do sistema imunológico.

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (24), Rodrigo Calado, professor da Faculdade de Medicina da USP, que participou da pesquisa, ressalta que os resultados abrem a possibilidade para a utilização de outros medicamentos que atuam na área para o tratamento da Covid-19.

Leia também

Anti-inflamatório acelera a recuperação de pacientes hospitalizados com Covid-19

Estudo indica segurança de vacina chinesa contra Covid-19, anuncia governo de SP

Pesquisa indica que idosos podem ser assintomáticos para o coronavírus

Rodrigo Calado, professor da Faculdade de Medicina da USP

Rodrigo Calado, professor da Faculdade de Medicina da USP

Foto: CNN (24.set.2020)

“Em abril e maio vimos que pacientes graves sofriam com muitas inflamações, especialmente no sistema complemento. Então começamos a usar medicações que atuam no sangue para inibir essa área de atuar,” disse Calado.

“A importância do estudo é que podemos usar estratégias que inibem o sistema complemento para evitar inflamações, em especial no pulmão. Em princípio, outros medicamentos que atuam nesta área podem ser usados.”

Apesar do resultado alentador, Calado ressalta que os estudo divulgados são ainda de fases 1 e 2, e que  precisa-se conduzir uma extensa pesquisa de fase 3 para que o método possa ser usado em larga escala.

“O estudo ainda é de fase 1 e 2. Ainda vamos trabalhar com a Universidade da Pennsylvania em um estudo de fase 3 para termos prova mais cabal da eficácia deste tratamento.”