Se tem cloroquina escrito, está errado, diz Pazuello sobre Dia D contra Covid-19

Alguns servidores estão chamando a iniciativa “Dia D da Cloroquina”, pelo fato de o kit incluir o medicamento, sem comprovação científica contra a doença

Natália André, da CNN, em Brasília
25 de setembro de 2020 às 15:23 | Atualizado 25 de setembro de 2020 às 19:40
Efetivado no Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello quer mais proximidade com a população
Foto: Marcos Corrêa - 9.jul.2020/ PR

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ficou irritado com a inclusão da cloroquina no manual  do  “Dia Nacional da Conscientização ao Atendimento Precoce”, criado pela pasta para reforçar a importância de diagnosticar rapidamente a Covid-19.

Alguns servidores estão chamando a iniciativa “Dia D da Cloroquina”, pelo fato de o kit incluir o medicamento, sem comprovação científica contra a doença. O relato foi feito por pessoas próximas a Pazuello. No manual da ação, a palavra “hidroxicloroquina” aparece, pelo menos, três vezes.

Leia mais:
Governo planeja 'Dia D' contra Covid-19 com kit que inclui hidroxicloroquina

“Se tem cloroquina escrito, está errado. Vamos corrigir. Falei muitas vezes pros meus secretários que não era pra ter nome de medicamento”, reclamou, segundo o relato de interlocutores.

A reportagem apurou que o ministro afirmou a servidores da pasta que a ação não vai incentivar o uso de nenhum remédio e, sim, reforçar o posicionamento do Ministério da Saúde sobre a importância da busca pelo atendimento médico logo no início dos sintomas do novo coronavírus.

Desde que o general assumiu interinamente a pasta, há 4 meses, ele repete o discurso e responsabiliza parte das mortes pela doença por causa da posição de outras gestões, que recomendavam a busca de tratamento médico apenas com sintomas graves da doença. 

No documento, a primeira ação destacada é: “obter o pedido de hidroxicloroquina por meio das SMS desde que o município fracione”. Logo em seguida vem: “Forças Armadas distribuem hidroxicloroquina diretamente para as UBS selecionadas pela SAPS”. Em outro ponto: “ver abastecimento de cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina”.

Mesmo assim, o ministro repetiu que o dia não tem nada a ver com cloroquina. “Não vai ter fornecimento de remédio, incentivo, nada. Será pelo atendimento precoce. Quem vazou isso é irresponsável”, concluiu.

A iniciativa foi marcada para o dia 3 e contará com cerimônias que incluem secretários do ministério, o presidente Jair Bolsonaro e o empresário Carlos Wizard.