EUA e AstraZeneca fecham acordo de R$ 2,6 bi para estudo com anticorpos da Covid

Valor incentiva pesquisas sobre classe de medicamentos usada pelo presidente Donald Trump

Gabriel Passeri*, da CNN, em São Paulo
09 de outubro de 2020 às 21:05
Regeneron começou fase final de testes clínicos com coquetel de anticorpos para tratar casos de Covid-19
Foto: Reuters

O governo dos Estados Unidos e a farmacêutica AstraZeneca assinaram nesta sexta-feira (9) um acordo para desenvolvimento de 100 mil doses de tratamento com anticorpos contra a Covid-19.

O investimento de US$ 486 milhões, equivalente a R$ 2,6 bilhões, pretende incentivar as pesquisas sobre uma classe de medicamentos semelhante à usada pelo presidente Donald Trump.

A agência de saúde americana financiará dois ensaios clínicos de Fase 3 realizados pela AstraZeneca na operação Warp Speed, que visa acelerar as terapêuticas e vacinas contra o novo coronavírus. A segurança e eficácia do tratamento serão avaliados por um estudo com cerca de 6.000 participantes. 

Leia também:

O que é o Regeneron, coquetel de anticorpos contra a Covid-19 que Trump tomou

Regeneron é procurado após tratamento de Trump, mas médicos querem mais dados

A expectativa da AstraZeneca é de que sejam fornecidas até 100 mil doses a partir do final de 2020, enquanto mais um milhão podem ser adquiridas pelo governo dos EUA em 2021 a partir de um novo acordo.

“O acordo com o governo dos EUA ajudará a acelerar o desenvolvimento de nossa combinação de anticorpos de longa ação, que tem o potencial de fornecer efeito imediato e duradouro na prevenção e no tratamento de infecções por Covid-19”, exaltou Pascal Soriot, CEO da farmacêutica.

Em um vídeo postado em seu Twitter na quarta-feira (6), Trump creditou a terapêutica com Regeneron por sua recuperação. Ele recebeu uma dose única de oito miligramas de um coquetel experimental de anticorpos da empresa de biotecnologia de Nova York.

Além disso, o infectologista Anthony Fauci acrescentou em entrevista à CNN nesta semana que, em sua opinião, os anticorpos administrados ajudaram o presidente em sua reabilitação.

(*Sob supervisão de André Rosa)