Faz parte do processo, diz diretor da Anvisa sobre suspensão de teste de vacina

Antonio Barra Torres disse à CNN que não tem motivo para acreditar que testes demorarão a serem retomados

Anna Satie, da CNN, em São Paulo
13 de outubro de 2020 às 21:30

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, afirmou em entrevista à CNN nesta terça-feira (13) que é comum que testes clínicos do desenvolvimento de vacinas sejam interrompidos. 

"Os eventos adversos graves estão previstos, eles ocorrem, estamos tratando de milhares de pessoas em todo o planeta. Ocorreu um evento na de Oxford, e um evento na plataforma da Jansen Johnson&Johnson. É um número muito pequeno no universo amostral", explica.

"Não temos que ter desesperança, que desanimar. Faz parte do processo, e o processo continua". 

Nesta segunda (12), os testes da vacina da Johnson&Johnson contra Covid-19 foram interrompidos após um dos voluntários apresentar um sintoma grave. Ainda não se sabe se esse sintoma é relacionado ao potencial imunizante.

Leia também:

Doença em participante faz Johnson paralisar estudo da vacina contra a Covid-19

A candidata estava em testes no Brasil e doze voluntários já haviam a recebido, disse Barra Torres. 

"O número total previsto atingiria mais de 7.000, mas a progressão está parada. Começou assim que recebemos a notificação da ocorrência de evento adverso grave e, para preservar a saúde dos voluntários, não vamos progredir até que seja elucidado", declarou. 

Ele contou que, quando isso acontece, um comitê internacional investiga todo o histórico médico do paciente para descobrir se há relação entre o sintoma e a potencial vacina.

"Assim que for provado que não há nexo de causa entre tomar a vacina e desenvolver o evento adverso, ou seja, que não foi a vacina que causou, imediatamente a mensagem é passada a todos os desenvolvedores, e os estudos são prontamente retomados". 

Barra Torres acredita que isso deva acontecer logo. "Já passamos por isso, não é a primeira vez, foi idêntico com [a candidata de] Oxford e, em menos de uma semana, em seis dias, os testes foram retomados. Não temos razão para duvidar de presteza semelhante neste momento". 

Antônio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa
Foto: CNN (13.out.2020)