Correspondente Médico: Por que o home office exige atenção com a rotina?

Neurocirurgião Fernando Gomes explica os desafios do trabalho remoto

Da CNN
19 de outubro de 2020 às 10:52



Há muita especulação sobre como será o trabalho após a pandemia de Covid-19. Algumas empresas disseram que permitirão que seus funcionários trabalhem em home office permanentemente. Outras querem todos de volta ao escritório assim que for seguro. E então há aqueles que ficam em algum ponto no meio do caminho.

Na edição desta segunda-feira (19) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou os desafios do trabalho remoto e como o cérebro lida com a nova rotina estimulada pela pandemia do novo coronavírus. O médico também comentou como o indivíduo pode identificar o esgotamento mental. 

"O efeito do home office é o grande desafio durante este período que estamos passando. Pois se a tecnologia existe e a gente consegue trabalhar distante, você imagina que isso é uma coisa favorável. Mas o desafio existe exatamente pela necessidade de se criar uma rotina nova com a coexistência de lugares em que você está habituado em desfrutar momentos pessoais", iniciou. 

De acordo com o cérebro, esta mudança impacta diretamente no lobo temporal, onde ele exerce uma 'virada de chave' nas experiências anteriores já vividas naque local. 

"Muitas vezes, nestes casos, há um conflito de informações, uma vez que aquele era um lugar onde normalmente descansamos, por exemplo. E de repente ele se torna um lugar 'hostil', de reuniões e em que preciso estar atento aos resultados, diferente do que se fazia antes. Mas tudo isto é uma questão de adaptação", disse. 

Leia também:

Veio para ficar? Home office é aprovado por 80% dos gestores de empresas no país
Nubank autoriza trabalho home office a funcionários até o fim de 2020
Solidão, o lado sombrio do home office: saiba como evitá-la mesmo no isolamento

Correspondente Médico: Por que o home office exige atenção com a rotina?
Foto: CNN

Mesmo com este processo de novas rotinas, o médico listou os benefícios destas alterações. Para Fernando Gomes, estas mudanças impactaram na percepção de ganho de tempo, uma vez que as pessoas não se locomovem até o o trabalho. Além disso, o trabalho remoto deu a oportunidade de se alimentar melhor. 

"Aquela 'gordura' de tempo que tínhamos como válvula de escape natural, deixou de existir e isso cansa o cérebro, aumenta ansiedade e pode piorar o grau de estresse. É preciso ter atenção à rotina de alimentação e na divisão, organização de horários", avaliou. 

A falta de uma rotina saudável de sono durante este período de trabalho remoto também pode impactar negativamente o cérebro. "Este tipo de rotina prejudica o nosso cérebro, uma vez que não colocamos um limite para que todas as atividades normais da fisiologia aconteçam no corpo", alertou. 

Outro ponto que merece atenção é a necessidade de se manter uma boa postura. Ela é importante para o bom funcionamento do corpo, sem que ocorram alterações posturais ou lesões. Na pandemia, o descuido pode potencializar ainda mais os sinais de esgotamento mental. 

"Se você estiver muito concentrado em uma tarefa, você basicamente anula as sensações do seu corpo, por isso você fica horas a fio em uma posição inadequada e não percebe. Portanto, é preciso ter atenção com esta questão", finaliza.

(Edição: André RIgue)