Brasil tem 571 novas mortes e mais de 30 mil casos de Covid-19 em 24 h

O total de infectados no país soma 5.353.656 e o total de óbitos chega a 156.471

Sinara Peixoto, da CNN, em São Paulo
23 de outubro de 2020 às 18:33 | Atualizado 23 de outubro de 2020 às 18:51

O Brasil registrou mais 30.026 novos casos confirmados de Covid-19 e 571 novas mortes em decorrência da doença. O total de infectados no país soma 5.353.656 e o total de óbitos chega a 156.471.

O boletim do Ministério da Saúde, divulgado todos os dias, considera os casos registrados por estados e municípios em um período de 24 horas a partir das 16h do dia anterior, independentemente da data da ocorrência.

Leia também:

Anvisa autoriza Butantan a importar 6 milhões de doses da Coronavac

Vacina de Oxford terá insumos farmacêuticos da China, diz presidente da Anvisa

Anvisa autoriza compra de doses da Coronavac

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o Instituto Butantan a importar 6 milhões de doses da vacina Coronavac, contra a Covid-19. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (23), um dia depois de o Butantan questionar o prazo para a liberação de importação de insumos.

Isso não significa, no entanto, que a vacina poderá ser utilizada imediatamente no Brasil. A necessidade do registro por parte da Anvisa permanece.

"Na importação em caráter excepcional de produto sem registro, é de responsabilidade do importador garantir a eficácia, segurança e qualidade do produto, inclusive o monitoramento do seu uso e o exercício da farmacovigilância. Adicionalmente, a utilização do produto ficará condicionada à obtenção de seu registro sanitário junto à Anvisa", diz o comunicado.

Enquanto a Anvisa não autorizar a aplicação da Coronavac, será responsabilidade do Instituto Butantan armazenar as doses e garantir que elas não sejam usadas.

Na decisão, a Anvisa afirma que agiu "para atendimento de programa de saúde pública". 

No começo da semana, o Ministério da Saúde chegou a anunciar que assinaria um acordo para a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa, mas o governo federal voltou atrás por decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

(Com informações de Guilherme Venaglia)