Problema não é volta às aulas, mas reforçar medidas para jovens, diz médico

Infectologista Marcelo Otsuka falou sobre o crescimento na média móvel de mortes por novo coronavírus no Brasil

Da CNN
18 de novembro de 2020 às 09:34 | Atualizado 18 de novembro de 2020 às 09:41
 

Coordenador do Comitê de Infectologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Marcelo Otsuka avalia que mais importante do que discutir sobre o retorno às aulas para crianças é reforçar as medidas de distanciamento social para jovens adultos no combate ao novo coronavírus.

Em entrevista à CNN, ele falou sobre o aumento na média móvel de mortes pelo novo coronavírus em grande parte do Brasil. Dezesseis estados mais o Distrito Federal estão com tendência de alta nas mortes pela doença.

"O retorno às aulas talvez não seja o principal foco pra gente discutir. Temos que discutir a postura que os adultos jovens não estão tendo e, inclusive, a fiscalização para isso, que tem sido muito ruim", disse.

Leia e veja mais:
Europa deve ser termômetro para o Brasil, diz infectologista sobre segunda onda
'Sofrimentos que se repetem', diz médica que alertou sobre aumento de casos
Butantan espera receber doses prontas da Coronavac nesta semana

Segundo Otsuka, a falta de cumprimento das recomendações das organizações da saúde está entre os principais motivos para o aumento de casos de Covid-19 no país. No entanto, adiar o retorno às aulas é prejudicial para as crianças em diversos fatores.

Marcelo Otsuka, médico infectologista, falou sobre o aumento de casos de Covid-19 no Brasil
Foto: CNN Brasil (18.nov.2020)

"Nós abrimos comércio, bares, restaurantes, festas já têm acontecido com possibilidade muito maior e não temos retorno às aulas. Até o momento, não temos dados robustos que demonstram o quanto crianças transmitem porque, basicamente, elas pegam de adultos que não respeitam as medidas de cuidados que deveríamos ter. As crianças não têm quadro grave e elas estão extremamente prejudicadas tanto no aprendizado quanto no desenvolvimento neuropsicossocial", afirmou o infectologista.

Aglomeração em Ponta Negra, balneário em Manaus, durante pandemia da Covid-19
Foto: Edmar Barros/Futura Press/Estadão Conteúdo (6.set.2020)
 
(Publicado por: André Rigue)