Por questão de segurança, Butantan não revela onde armazenará doses da Coronavac

Estado de São Paulo recebeu 120 mil doses prontas do imunizante produzidas na China nesta quinta-feira (19); destino delas é sigiloso

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
19 de novembro de 2020 às 09:49 | Atualizado 19 de novembro de 2020 às 18:02


 

O Instituto Butantan afirmou nesta quinta-feira (19) que não revelará onde as 120 mil doses da vacina Coronavac recebidas nesta manhã – suficientes para vacinar 60 mil pessoas – serão armazenadas.

Questionada pela CNN, a assessoria do Butantan afirmou que o destino das vacinas é sigiloso "por motivo de segurança”. O temor é que as doses do imunizante possam ser alvo de "invasão" ou "sabotagem".

Dimas Covas, Jean Gorinchteyn e João Doria com doses da Coronavac

Dimas Covas (E), Jean Gorinchteyn e João Doria seguram embalagens da Coronavac após chegada de 120 mil doses do imunizante a São Paulo

Foto: Divulgação - 19.nov.2020/Governo de SP

Essas 120 mil unidades da Coronavac fazem parte de uma remessa total de 6 milhões de doses do imunizante que serão produzidas pela Sinovac na China e enviadas prontas para o Butantan.

Assista e leia também:
Primeiro lote da vacina Coronavac chega ao Brasil
Veja imagens do primeiro lote da Coronavac enviado ao Brasil
Butantan terá 46 milhões de doses da Coronavac prontas em janeiro, diz diretor
Coronavac será adaptada e poderá ser armazenada em geladeira, diz Dimas Covas

Em vídeo publicado em sua conta no Twitter, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que a chegada dessas doses da Coronavac é um "marco muito importante diante de uma pandemia que já levou a vida de mais de 166 mil brasileiros".

Ainda neste mês, o Butantan espera receber 600 litros de matéria-prima da Sinovac para iniciar a produção local da vacina. Dimas Covas, diretor do centro de pesquisa, estima que o estado de São Paulo terá 46 milhões de doses de vacinas até janeiro de 2021.

Estudo aponta segurança da Coronavac

Dados preliminares dos testes clínicos com a vacina publicados na terça-feira (17) na revista médica The Lancet mostraram que a vacina induziu uma rápida resposta imune, mas o nível de anticorpos produzidos foi menor do que o visto em pessoas que se recuperaram da doença.

Embora os testes em estágios inicial e intermediário não tenham sido desenvolvidos para determinar a eficácia da Coronavac, os pesquisadores disseram que ela pode fornecer proteção suficiente, com base na experiência com outras vacinas e em dados de estudos pré-clínicos em macacos.

As descobertas da Sinovac, publicadas em artigo revisado por outros cientistas na Lancet são dos testes clínicos em Fases 1 e 2 realizados na China, com mais de 700 participantes.