Reino Unido deve começar a vacinar contra a Covid-19 nos próximos dias

Da CNN, em São Paulo
28 de novembro de 2020 às 21:27 | Atualizado 29 de novembro de 2020 às 06:50

 

O Reino Unido pode se tornar o primeiro país do Ocidente a aprovar uma vacina contra a Covid-19 e iniciar a imunização em dias, segundo o jornal Financial Times. De acordo com o diário, a vacina desenvolvida pela BioNTech em parceria com a Pfizer deve receber autorização da agência regulatória do país nas próximas horas e as primeiras doses da vacina devem ser aplicadas no dia 7 de dezembro.

O Reino Unido encomendou 40 milhões de doses do produto, que as análises preliminares mostraram 95% de eficácia em prevenir a doença entre os voluntários

Leia também:

Covid-19: Reino Unido pede a agência reguladora que avalie vacina de Oxford

Ministério da Saúde define critérios para compra de vacinas contra Covid-19

Vacina de Oxford pode fazer mais pelo mundo do que as outras; entenda a razão

Normalmente, as vacinas eram normalmente autorizadas pela Agência Europeia de Medicamentos até o final da transição Brexit, em 31 de dezembro. No entanto, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido (MHRA, na sigla em inglês) tem o poder de autorizar temporariamente os produtos, em casos de necessidade urgente.

Oxford e AstraZeneca publicaram resultados provisórios de eficácia no último dia 22. Eles mostraram que a vacina pode ser 90% eficaz quando administrada em meia dose seguida por uma dose completa. 

Esses dados levantaram dúvidas, embora a MHRA tenha aprovado o uso do regime de meia dose e dose completa aplicadas em um dos grupos de voluntários do estudo.

O principal consultor científico do Reino Unido disse na quinta-feira (26) que os resultados provisórios mostraram que a vacina de Oxford funciona. "O resultado principal é que a vacina funciona e isso é muito emocionante", afirmou Patrick Vallance durante uma entrevista coletiva com o primeiro-ministro Boris Johnson.

Ilustração da potencial vacina contra Covid-19 da farmacêutica Pfizer
Foto: Dado Ruvic/Reuters (30.out.2020)

 

Vacina de Oxford

O mesmo processo poderia ser aplicado à vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. Na sexta-feira (27), o governo britânico escreveu ao órgão regulador, pedindo que revisse a vacina AstraZeneca-Oxford.

A AstraZeneca espera que 4 milhões de doses estejam disponíveis no Reino Unido até o final de dezembro. O secretário de Saúde do país, Matt Hancock, busca iniciar a distribuição da vacina antes do Natal.

"Pedimos formalmente à agência reguladora que avalie a vacina de Oxford/AstraZeneca, para entender os dados e determinar se ela atende aos rigorosos padrões de segurança", disse ele em um comunicado.

A Rússia aprovou a sua vacina contra o coronavírus em agosto, mas o resultado não foi baseado em dados de testes em grande escala. 

A BioNTech e a Pfizer submeteram no início do mês os dados da fase três da vacina que desenvolvem, que incluem mais de 43 mil voluntários, ao FDA, órgão regulador dos Estados Unidos.