Maior desafio é rastrear quem for vacinado, diz Ministério da Saúde

Segundo o secretário executivo de saúde, o rastreio é mais importante do que a escolha de qual vacina será usada

Will Marinho, da CNN, em São Paulo
10 de dezembro de 2020 às 20:41 | Atualizado 10 de dezembro de 2020 às 21:32

 

O secretário executivo de Saúde, Elcio Franco, afirmou nesta quinta-feira (10), durante a coletiva de imprensa do Ministério da Sáude, que o maior desafio da imunização contra o novo coronavírus é catalogar as pessoas vacinadas.

"Nosso maior desafio e preocupação é a rastreabilidade de quem for vacinado", afirmou Franco.

O segundo no comando do Ministério da Saúde explicou ainda que, por meio do so SUS e da Rede Nacional de Dados de Saúde (RNDS), será implementada a "Carteira Nacional de Vacinação".

Assista e leia também

Anvisa aprova trâmite para uso emergencial de vacinas para Covid-19

FDA: Agência dos EUA recomenda uso emergencial de vacina da Pfizer contra Covid-19

Elcio Franco, secretário-executivo do Ministério da Saúde (10.dec.2020)
Foto: CNN Brasil


Nela, o profissional de saúde que realizar o procedimento de vacinação ou o brasileiro que for vacinado deverá registrar informações como: lote, data e qual vacina foi tomada. 

Para Elcio, sem esse procedimento, existe um risco muito grande de reações adversas para quem tomar doses de vacinas diferentes.

"Nós temos discutido com diversos laboratórios. Os intervalos da primeira e segunda doses têm variação. Tem vacina que é de quatro semanas. Tem vacina que é de três. Tem vacina que é dois meses. E é muito importante saber qual vacina o cidadão vai tomar. Não houve nenhum estudo, e há um risco muito grande de uma reação adversa grave para alguém que tome uma dose de uma vacina e outra dose de outra vacina."