Medida Provisória para centralização de vacina pode ser inconstitucional

Especialistas ouvidos pela CNN divergiram sobre a norma ser inconstitucional, ainda que em caráter emergencial

Por José Brito, da CNN, em São Paulo
11 de dezembro de 2020 às 19:05 | Atualizado 14 de dezembro de 2020 às 19:33
Governo estuda medida para centralizar controle da distribuição de vacinas
Foto: REUTERS/Dado Ruvic


Em publicação no Twitter no início da tarde desta sexta-feira (11), o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o informou que uma Medida Provisória será editada para tratar uma possível centralização e distribuição igualitária de vacinas contra a Covid-19. Assim, todo imunizante certificado que for produzido ou importado será requisitado pelo governo federal. Especialistas ouvidos pela CNN divergiram sobre a norma ser inconstitucional, ainda que em caráter emergencial.  

Para o professor de Direito Administrativo da Escola Paulista de Direito Alexandre Levin, a possibilidade de o governo federal confiscar vacinas adquiridas por governos estaduais configura uma medida flagrantemente inconstitucional. 

Leia também:

Veja o andamento da análise das vacinas contra Covid-19 no Brasil

Frente Nacional de Prefeitos espera plano nacional de imunização até quarta (16)

Planalto pressionou Pazuello a mudar estratégia da vacina em reunião na segunda

“A competência para prestar serviço de saúde pública é descentralizada: União, Estados, DF e municípios têm competência comum para prestar o serviço de saúde pública para a população, seguindo as regras gerais do SUS, dispostas na Lei 8.080/1990 e na Constituição. Aliás, o STF deixou isso claro esse ano, ao decidir que cada Estado e cada município tem autonomia para decidir as medidas de combate à Covid-19”, diz Alexandre. 

Levin ressaltou ainda que o governo paulista já informou que cidadãos de outros estados também poderão se vacinar em São Paulo; portanto, nada impede que o governo federal compre também e distribua aos Estados.

“São Paulo não precisará dessa vacina ou precisará em menor quantidade, já que está comprando a dele. Me parece contraditório. Ele deveria, então, ter centralizado tudo na União e distribuído a cloroquina aos estados, requisitando de laboratórios e governos Brasil afora. Por que não quis confiscar cloroquina, então?", indagou. 

Em setembro, a CNN mostrou que o laboratório do Exército não contestou formalmente o aumento de três vezes no preço do insumo da cloroquina e só cobrou explicações por escrito à empresa depois de a compra, já finalizada, ter virado alvo de uma investigação no Tribunal de Contas da União (TCU). 

No mês seguinte, novos documentos públicos analisados pela reportagem revelaram que a procura à responsável pela venda do produto para fabricação do medicamento aconteceu quase um mês antes em relação à única concorrente a participar da disputa e antes da formalização de qualquer processo público de consulta de preços.

Destaques do CNN Brasil Business:

Fim do mistério: nos 40 anos do Chester, empresa divulga fotos do animal vivo

Ação do Airbnb dispara na bolsa e fortuna do fundador triplica, para US$ 11 bi

Polícia Federal abre concurso público para 1.500 vagas

Economia brasileira deve encolher de novo antes de voltar a crescer em 2021

Segundo o professor de Direito Constitucional e Direitos Humanos da Damásio Educacional Erival Oliveira o tema de direito à saúde é um direito social e todos os entes federativos têm competência para atuar, mas não há proibição para que a União gerencie a distribuição das vacinas, tanto que existe um plano nacional de imunização. 

“Nada impede, por exemplo, que qualquer governador de estado proponha uma ação direta de inconstitucionalidade com pedido de medida cautelar no Supremo Tribunal Federal (STF) quando for editada essa MP que estão falando que o presidente vai editar em caráter de emergência. Quem vai dar a posição final é o STF sobre quem vai efetivamente distribuir a vacina. No parágrafo 1º Artigo 62 da Constituição Federal não há proibição para Medida Provisória tratar o tema”, explicou.