RJ não tem plano logístico para distribuir vacinas em comunidades do estado

"Plano Estadual de Imunização está em fase de planejamento final e seus detalhes ainda não foram divulgados", disse secretaria

Iuri Corsini, da CNN, no Rio de Janeiro
15 de dezembro de 2020 às 17:50 | Atualizado 15 de dezembro de 2020 às 18:42

 

O governo do estado do Rio de Janeiro ainda não tem um plano definido para a logística de distribuição das vacinas nas regiões mais carentes e de difícil acesso do estado. Questionada sobre tal logística, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio (SES-RJ) não informou o que pretende fazer para garantir que as pessoas mais carentes. moradores de favelas e regiões mais afastadas sejam contempladas com o imunizante contra a Covid-19.

Segundo estimativas do IBGE, apenas na capital fluminense, existem cerca de um milhão e meio de pessoas morando em favelas, o que corresponde a aproximadamente 22% da população total da cidade. A SES-RJ também não respondeu sobre se pretende utilizar aparato militar, como o auxílio do Exército, por exemplo, ou algum outro tipo de ajuda, para que essa logística possa garantir o acesso das pessoas mais carentes à vacina.

"O Plano Estadual de Imunização está em fase de planejamento final e seus detalhes ainda não foram divulgados", afirmou, através de nota, a SES-RJ.

Já a Secretaria Municipal de Saúde, tanto a atual gestão quanto a gestão que será empossada a partir de janeiro de 2021, afirmou que o plano para garantir o acesso amplo das vacinas é continuar contando com as Clínicas das Famílias. Conforme informado pela pasta, a rede de Atenção Primária, composta por 236 Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde, garantirão que todas as comunidades da capital fluminense sejam atendidas. Essa rede abrange 108 Centros Municipais de Saúde e 128 Clínicas da Família, e acompanha, de acordo com a SES-RJ, mais de 4 milhões de pessoas cadastradas. 

Leia e assista também

Governadores querem união de laboratórios para vacinar 70% da população até maio

Veja quais são as fases de distribuição da vacina de acordo com plano do governo

Governo entrega ao STF plano nacional de imunização

CNN tem acesso exclusivo ao plano nacional de imunização

"É importante destacar que o processo logístico de entrega já existe para a rotina e para as campanhas. Vale acrescentar que o plano deverá ser finalizado tão logo seja anunciada a vacina que será escolhida pelo Ministério da Saúde para imunizar os cidadãos. E que este será colocado em prática após alinhamento com a Secretaria de Estado de Saúde e o Ministério da Saúde", informou a secretaria.

Conversamos também com o próximo secretário da futura gestão da Secretaria Municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, sobre essa plano de vacinação e se há a possibilidade de usar o Exército, por exemplo, no auxílio da garantia da entrega das vacinas em todas as regiões da capital. 

Segundo Soranz, que tomará posse a partir de janeiro de 2021, não dá para descartar tal ajuda mas que, a princípio, não haverá necessidade de tal aparato militar. O futuro secretário também está contando com as Clínicas das Famílias, inclusive afirmando que pretende “fortalecê-las ainda mais”, e disse que "o SUS sabe fazer bem essa logística de vacinação". Soranz se reunirá nesta terça-feira com o governo federal para ajustar detalhes sobre como será aplicado o Plano Nacional de Imunização no município do Rio.

Também entramos em contato com a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, para saber como o órgão vem monitorando esse plano de imunização. Eles, inclusive, já encaminharam ofício ao estado do Rio, para saber todos os detalhes práticos e logísticos de como será aplicado o plano no estado e como o governo irá garantir a celeridade necessária para atender a população mais carente. Entretanto, já passado o prazo solicitado pela Defensoria para que o estado se manifeste, ainda não houve resposta ao ofício.

Compra de agulhas e seringas

A SES-RJ informou que até 20 de dezembro, 8 milhões de agulhas e seringas serão adquiridas pelo estado, para que seja possível colocar o plano de vacinação em prática, a partir do momento que a Anvisa aprovar a compra dos imunizantes pelo Ministério da Saúde. Garantir tais itens é tarefa obrigatória se o estado quiser pôr em prática o plano de vacinação. Além disso, o estado do Rio receberá um segundo lote, com outras 8 milhões de seringas e agulhas, em janeiro de 2021.

Essas 16 milhões de agulhas e seringas já foram compradas e, conforme informado pela Secretaria de Saúde, custou R$ 1.360.000,00 aos cofres do estado.