Em reunião, Pazuello questiona Anvisa e pede para acelerar vacinas

Avaliação na pasta é a de que o governo já está pronto para a vacinação, inclusive com processos licitatórios de aquisição de insumos

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
17 de dezembro de 2020 às 19:40 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 20:06

 

Uma recente reunião no Ministério da Saúde demonstrou o grau de tensionamento do governo brasileiro com o processo de aquisição de vacinas contra o novo coronavírus. Nela, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, deu tapas na mesa e questionou "por que ninguém aperta a Anvisa" para liberar as vacinas e também "o que falta para comprar as vacinas".

Em resposta, seus auxiliares lhe disseram que não é possível fazer nada em relação à Anvisa e que o ideal é aguardar a área técnica do órgão. Sobre os procedimentos de compras, foi informado que é preciso avançar nos processos. Pazuello, então, pediu que fosse acelerado tudo o que competia ao Executivo federal. 

A avaliação na pasta é a de que o governo já está pronto para a vacinação, inclusive com processos licitatórios de aquisição de insumos, mas que agora há dependência de outros órgãos, como a Anvisa e as farmacêuticas, para que o processo avance. 

Leia também:

Termo para ser vacinado é motivado por cláusula da Pfizer, diz relator da MP

Temperatura, doses e preço: o que se sabe sobre a vacina de Pfizer

Pazuello: 'Vacinação da Pfizer pode começar em dezembro ou janeiro'

Tanto que as dificuldades do governo brasileiro para viabilizar as vacinas da Pfizer e da Sinovac fizeram com que o ministério passasse a disparar memorandos para outras farmacêuticas em busca de vacinas.  

Principal aposta do governo, as negociações com a Pfizer travaram. A empresa está incomodada com o fato de ainda não haver na legislação brasileira a chamada cláusula de imunidade, na qual a farmacêutica não se responsabiliza por efeitos colaterais da vacina. 

Segundo interlocutores da empresa, em todos os países que compraram sua vacina isso foi feito. Tanto que, em comunicado divulgado à imprensa nesta quinta-feira (17), a companhia disse que "não podemos comentar as negociações em curso com o governo brasileiro, mas afirmamos que as cláusulas que estão sendo negociadas estão em linha com os acordos que fechamos em outros países do mundo – inclusive na América Latina".

A farmacêutica também critica a Anvisa. Diz que "as condições estabelecidas pela agência requerem análises específicas para o Brasil, o que leva mais tempo de preparação". 

"Um exemplo é a solicitação de uma análise específica dos dados levantados exclusivamente na população brasileira, o que demanda tempo e análises estatísticas específicas. Outras agências regulatórias que possuem o processo de uso emergencial analisam os dados dos estudos em sua totalidade, sem pedir um recorte para avaliação de populações específicas", diz a Pfizer.

A Anvisa, por sua vez, diz que é preciso ter detalhes sobre a vacina que será aplicada, mas que essa exigência não inviabiliza o pedido.

Destaques do CNN Brasil Business:

Strada, Tracker e elétrico da Audi: relembre carros lançados em 2020 no Brasil

Governo prevê salário mínimo de R$ 1.088, mas valor pode ter que ser maior

Bitcoin e criptomoedas: entenda o que são e como investir

"Eventuais dificuldades de atendimento de tais parâmetros não inviabilizam o peticionamento do uso emergencial, cuja análise considerará as justificativas apresentadas, para emitir ou rejeitar a autorização", disse, em nota à CNN.  

Com a Sinovac, a situação é distinta. O governo federal aguarda a resposta de um memorando encaminhado ao Instituto Butantan pedindo detalhes da Coronavac para avançar no processo de compra. O governo de São Paulo, por sua vez, diz aguardar o contrato. 

Nesta quinta-feira, o diretor do Butantan, Dimas Covas, entrou em contato com o ministério para tentar um acerto.