Priorizar vacinação por renda tem 'operação muito difícil', diz diretor da SBIm

Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, afirmou que Plano Nacional de Imunização deve atender necessidades da população brasileira

Da CNN, em São Paulo
17 de dezembro de 2020 às 10:30


Diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, o médico Renato Kfouri avaliou à CNN que o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19, apresentado pelo governo federal na quarta-feira (16), deve atender plenamente às necessidades da população brasileira.

A última versão do plano trouxe novas populações nos grupos prioritários como, por exemplo, presos, quilombolas e ribeirinhos. No entanto, ele destacou que a reinvidicação de incluir pessoas de baixa renda em grupos priritáorios é de difícil operacionalização.

Leia também:

Após críticas, Saúde amplia grupo prioritário e tira nomes de técnicos do plano
Saúde muda prazo e diz que vacinação contra Covid-19 começa em fevereiro
Saúde: Agulhas e seringas para vacina contra Covid-19 são competência estadual

"Quando vamos entrar em municípios ou uma comunidade, é muito difícil separar quem tem uma renda maior ou menor, e vacinar parte de um município e depois, numa segunda etapa, voltar [para imunizar os demais]. Operacionalmente é muito dificil fazer isso", explicou Kfouri.

"Quando a gente estratifica baseado na idade e comorbidades, se conseguirmos [vacinar] 77% dos indivíduos pertencentes desse grupo, creio que estamos atingindo, na maior parte das vezes, os grupos que são vulneráveis", completou o médico.

Frasco de potencial vacina contra Covid-19
Foto: Dado Ruvic/Reuters (3.nov.2020)

(Publicado por Leonardo Lellis)