SP vê chance de antecipar efetividade da Coronavac após divulgação na Turquia

Há expectativa de que a Sinovac, fabricante da vacina, libere a divulgação dos dados em menos de 15 dias, prazo informado oficialmente

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
24 de dezembro de 2020 às 16:44 | Atualizado 24 de dezembro de 2020 às 18:28
Novo carregamento da Coronavac chega ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP)
Foto: CNN (24.dez.2020)

A divulgação da efetividade da Coronavac na Turquia na ordem de 91,25% foi comemorada por integrantes do governo de São Paulo, depois que o anúncio no Brasil foi cancelado, nesta quarta-feira, a pedido da fabricante da vacina Sinovac.

Leia também:
Turquia diz que eficácia da Coronavac da China é de 91,25% e taxa deve aumentar
Novo carregamento da Coronavac chega ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP)

Divergências entre os resultados da efetividade da vacina por país teriam motivado esse pedido, o que o governo de São Paulo atendeu sob a justificativa de que trata-se de uma cláusula contratual. Atualmente a vacina é administrada na Turquia, Indonésia, China e Brasil.

Fontes do governo paulista afirmaram à CNN que o prazo de 15 dias para divulgação dos dados da Coronavac no Brasil foi fixado por segurança para evitar novo cancelamento de anúncio. Na prática, há expectativa de que Sinovac libere a divulgação dos dados antes.

Limiar

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou na entrevista, sem anúncio da efetividade da vacina no Brasil, que "atingimos o limiar de eficácia para solicitar o uso emergencial da vacina tanto no Brasil como na China”.

Assista e leia também:
Governo de SP e Butantan adiam divulgação de eficácia da Coronavac
Coronavac recebe certificação de boas práticas de fabricação da Anvisa

Ainda que a palavra "limiar" esteja tecnicamente correta, depois da entrevista, e repercussões que surgiram, houve avaliação interna de que politicamente a palavra não caiu bem. Covas utilizou esse termo para dizer que a vacina atingiu o mínimo exigido, que é de 50%, sem precisar em números, o que gerou interpretação de que a eficácia ficou perto disso.

Sem autorização para divulgar nenhum número, o governo paulista pediu à Sinovac para que alguma informação fosse repassada a fim de prestar uma satisfação a quem esperava o anúncio, restando apenas dizer que a Coronavac atingiu o mínimo de efetividade exigida para pedir autorização de uso.

O objetivo era não deixar dúvidas, durante a entrevista, de que a vacina funciona.