Pazuello sobre Coronavac: Toda a produção do Butantan entrará no plano nacional


Carla Bridi, Gabriela Coelho, Rachel Vargas e Guilherme Venaglia, da CNN, em Brasília e em São Paulo
07 de janeiro de 2021 às 17:07 | Atualizado 07 de janeiro de 2021 às 19:05

 

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que "toda a produção" de vacinas contra a Covid-19 do Instituto Butantan será incorporada ao Plano Nacional de Imunização. Com isso, serão 100 milhões de doses do Butantan direcionadas para a distribuição federal.

A entidade, ligada ao Governo de São Paulo, é a responsável pela importação e produção local da Coronavac, em parceria com a chinesa Sinovac. Segundo Pazuello, a divisão dos imunizantes seguirá os critérios nacionais e não critérios estaduais ou municipais.

"Toda a produção do Butantan, e aí eu quero ressaltar, toda a produção do Butantan, todas as vacinas que estão no Butantan, serão, a partir desse momento, do contrato, incorporadas ao Plano Nacional de Imunização", afirmou o ministro, em pronunciamento na tarde desta quinta-feira (7).

Assista e leia também: 

Vacina do Butantan: eficácia é de 78% em casos leves e 100% em graves

Pazuello: Brasil garantiu 354 milhões de doses de vacina, incluindo Coronavac

Uso emergencial: saiba quais são os próximos passos para aprovação da Coronavac

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde
Eduardo Pazuello, ministro da Saúde
Foto: CNN (07.jan.2021)

"Serão distribuídas de forma equitativa e proporcional, a todos os estados da mesma forma, como todas as vacinas da AstraZeneca", prosseguiu Pazuello.

O ministro da Saúde argumentou que a pasta "nunca abandonou as negociações com o Butantan" para adquirir a Coronavac e que as doses foram acertadas em contrato de compra com o instituto paulista. De acordo com Pazuello, serão 46 milhões de doses até abril e outras 54 milhões até o final do ano.

Eduardo Pazuello repetiu a contagem feita em rede nacional de rádio e televisão na quarta-feira (6). De acordo com o ministro, o Brasil dispõe de 354 milhões de doses -- as 100 milhões com o Butantan e mais as 254 milhões de doses da AstraZeneca/Universidade de Oxford.

Uma parcela de ambas as vacinas será importada pronta. No caso da AstraZeneca, a intenção é importar 2 milhões de vacinas produzidas na Índia, enquanto na Coronavac, a parte adquirida pronta será de 6 milhões de imunizantes.

O ministro afirmou que a relação da pasta com o Butantan é tão fluida quanto com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira local da AstraZeneca. “Relação com Fiocruz é diaria, ela é do ministerio. E com o Butantan é tao forte quanto da Fiocruz. Somos clientes do Butantan, que é uma instituição de estado", disse.

Em atualização