Ministério da Saúde consegue oxigênio para manter bebês em Manaus por 48 horas

Se estoque da capital amazonense não for reposto em dois dias, pasta promete transferir prematuros para leitos em outros estados brasileiros

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
15 de janeiro de 2021 às 17:55 | Atualizado 15 de janeiro de 2021 às 18:13

 

O Ministério da Saúde anunciou na tarde desta sexta-feira (15) ter conseguido cilindros de oxigênio para manter em Manaus os 61 bebês prematuros que estão internados em leitos de UTI na cidade. Os cilindros poderão manter o abastecimento dos leitos por 48 horas.

Os hospitais públicos da capital do Amazonas enfrentam, desde quinta-feira (14), falta de oxigênio diante da escala de casos graves da Covid-19 no estado.

Mais cedo, a gestão do governador Wilson Lima (PSC) enviou mensagem a estados pedindo ajuda para transferir os bebês prematuros. Durante entrevista coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ofereceu o estado para abrigar as crianças.

Segundo o Ministério da Saúde, caso a situação do abastecimento de oxigênio não seja resolvida em 48 horas, a pasta articulou 56 leitos para receber os bebês.

São 25 leitos em Curitiba (PR), 11 leitos em Vitória (ES), nove leitos em Imperatriz (MA), quatro em Salvador (BA), três em Feira de Santana (BA), três em Macapá (AP) e um em Ariquemes (RO).