Impacto do final do ano ainda está por vir, diz secretário de SP

Edson Aparecido prevê piora na situação da pandemia na cidade nas próximas semanas

Da CNN, em São Paulo
21 de janeiro de 2021 às 22:15

O secretário municipal da Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, afirmou nesta quinta-feira (21) à CNN que a administração paulistana espera um agravamento da pandemia da Covid-19 nas próximas semanas.

Para Aparecido, o impacto da disseminação do novo coronavírus durante as festas do final do ano ainda não foi sentido e as internações devem subir. 

"Todos vimos os acontecimentos em relação à movimentação do comércio, depois nas festas de final de ano, cujo impacto ainda na elevação de casos e internações ainda não aconteceu", disse o secretário, entrevistado pela âncora da CNN Carol Nogueira e pela colunista Raquel Landim.

"Podemos ter um aumento ainda maior de casos, de internações e, consequentemente, de mortes", completou Edson Aparecido. 

O secretário defendeu uma "atualização" do Plano São Paulo, que rege a reabertura da economia no estado. A expectativa é que a região metropolitana de São Paulo dê passos atrás nessa abertura, em uma decisão a ser anunciada pelo governador João Doria (PSDB) nesta sexta-feira (22).

Para Aparecido, São Paulo "está pagando pela ineficiência dos outros". Ele argumenta que um a cada cinco leitos de UTI na cidade recebe um paciente que não mora na capital paulista.

Vacinas

O secretário municipal de Saúde admitiu que a cidade não possui doses suficientes da Coronavac para imunizar os profissionais da saúde, grupo prioritário para a imunização.

De acordo com Edson Aparecido, são 203 mil doses para o grupo, que representa cerca de 500 mil pessoas na cidade. Ele admitiu ainda que estão se vacinando pessoas que, apesar de atuarem na saúde, não estão na linha de frente do combate à Covid-19.

*Publicado por Guilherme Venaglia