A questão moral na desigualdade da corrida pelas vacinas pelo mundo

Da CNN, em São Paulo
28 de janeiro de 2021 às 05:00

Enquanto alguns países asiáticos e africanos demorarão até três anos para começar a vacinação em massa, muitos países europeus podem atingir o feito ainda em 2021. Isso é o que aponta um estudo da The Economist Intelligence Unit.

De modo geral, a conclusão reforça os alertas recentes da Organização Mundial da Saúde: uma distribuição desigual de vacinas está em curso, e os países mais pobres serão também os mais afetados. Nesse contexto, a ameaça da União Europeia de barrar a exportação das vacinas da AstraZeneca está sendo lida como “egoísta” pela OMS. Por outro lado, o bloco afirma que apenas reage aos atrasos na entrega e que as doses já foram pagas. 

Neste episódio do E Tem Mais, Monalisa Perrone fala sobre uma suposta nacionalização das vacinas e como a distribuição desigual dos imunizantes deve afetar, de uma forma ou outra, o mundo todo. Para isso, ela recebe na primeira parte do episódio a diretora-executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia. Também participa da conversa Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.


Conheça os podcasts da CNN Brasil:

CNN Mundo

5 Fatos

Abertura de Mercado

Horário de Brasília

Na Palma da Mari

O Que Eu Faço?

Todo o conteúdo da grade digital da CNN Brasil é gratuito.

(Publicado por Daniel Fernandes )

E Tem Mais
O podcast E Tem Mais, com Monalisa Perrone, episódios novos de segunda a sexta
Foto: CNN Brasil